SÃO PAULO - Os principais aeroportos europeus aumentaram suas taxas operacionais em 4%, em média, desde o ano passado. As maiores elevações, segundo uma pesquisa da consultoria RDC Aviation, ocorreu nos terminais londrinos de Heathrow e Gatwick.

Em todos os aeroportos pesquisados no estudo, se verifica que as taxas cobradas de passageiros estão subindo em ritmo mais acelerado que aquelas impostas a companhias aéreas e à operação de aeronaves. Segundo a RDC isso ocorre em parte pelo aumento nos custos com segurança e com a implantação de infraestrutura para pessoas com deficiência, seguindo novas normas da União Européia (UE). Além disso, o estudo mostra que as taxas relacionadas a emissões de gases do efeito estufa têm se tornado mais comuns na Europa.

As taxas em Heathrow, o principal aeroporto britânico, tiveram alta de entre 40% e 50%, dependendo do tamanho da aeronave às quais os serviços foram prestados. Segundo a RDC, a diferenciação nas taxas é a forma encontrada pela British Airports Administration (BAA), que administra o aeroporto, de usar a estrutura de cobrança para estimular o uso de aeronaves maiores.

Dessa forma, a taxa de pouso em Heathrow é igual para um avião modelo Jetstream 41, a hélice, e um Boeing 747-400. Assim, ainda é relativamente barato pousar com um avião maior em Heathrow, afirma a RDC, acrescentando que o terminal londrino ainda tem uma das mais baixas taxas de pouso entre os 50 maiores aeroportos europeus.

O estudo mostra que, ainda em Heathrow, as taxas por emissão de gases poluentes aumentaram 75% neste ano, assim como as taxas cobradas de passageiros também cresceram consideravelmente. Segundo a RDC, para passageiros, o terminal londrino é um dos mais caros do continente.

A situação no segundo maior aeroporto londrino, Gatwick, não é muito diferente, segundo a RDC. Naquele terminal, as taxas operacionais tiveram alta de entre 35% e 40%, também com medidas para incentivar o uso de aeronaves maiores. Assim como Heathrow, Gatwick também é administrado pela BAA, controlada pelo grupo espanhol Ferrovial.

Na outra ponta do estudo, o aeroporto Schiphol, de Amsterdã, registrou a maior queda nas taxas aeroportuárias no período. Elas recuaram cerca de 8%, de acordo com a consultoria. Por outro lado, o governo holandês recentemente começou a aplicar um novo imposto para redução de emissões cobrado de passageiros partindo de Schiphol, o que o tornou relativamente mais caro para viajantes.

O levantamento ainda indicou que, na média, as taxas para operações domésticas de aviões pequenos subiram mais de 9%. Já o valor cobrado nesse mesmo tipo de operação, só que realizado com jatos de fuselagem estreita, subiu apenas 5% em média.

Em operações regionais dentro da UE, as taxas subiram mais de 3% para aviões de fuselagem estreita, enquanto os valores cobrados de aeronaves grandes em rotas internacionais aumentaram 3,6%.

O estudo mostra que os aeroportos mais caros da Europa são os de Heathrow, Schiphol e o Charles de Gaulle, em Paris.

(José Sergio Osse | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.