Tamanho do texto

SÃO PAULO - A desvalorização do real perante o dólar também prejudicou o resultado trimestral da TAM. A companhia aérea voltou ao vermelho no terceiro trimestre, ao registrar prejuízo líquido de R$ 112,7 milhões.

Segundo a empresa, essa perda reflete a queda de 4,1% do real ante o dólar e as perdas com operações de hedge de combustível. No mesmo intervalo de 2007, a TAM havia tido lucro de R$ 48,5 milhões.

" A TAM não tem operações de hedge cambial, apenas de combustível " , informa a companhia, em nota. Essas operações foram as principais responsáveis pelo resultado financeiro líquido negativo em R$ 301,5 milhões no trimestre.

Do lado operacional, a companhia conseguiu elevar as receitas em ritmo superior ao do aumento dos custos. Segundo a TAM, sua receita operacional bruta total aumentou 40,1% em relação ao terceiro trimestre de 2007, para R$ 3 bilhões. Em contrapartida, a despesa operacional e os custos dos serviços prestados tiveram alta de 36,2%, para R$ 2,7 bilhões. O resultado da operação antes das despesas financeiras e impostos (EBIT) atingiu R$ 167 milhões (margem de 5,8%), contra R$ 57,4 milhões no ano passado (margem de 2,8%).

Segundo a TAM, seus gastos com combustíveis cresceram 68,2% no trimestre, para R$ 1,1 bilhão. Isso ocorreu, principalmente, pelo aumento de 16,6% no volume consumido, assim como por conta dos altos preços do petróleo. O preço médio por litro de combustível, em reais, subiu 44,2% perante o intervalo julho-setembro de 2007. Em parte, afirma a empresa, isso foi compensado pela maior participação do abastecimento de combustível no mercado internacional e pela elevação de 5,9% na etapa média percorrida por seus aviões.

Para 2009, a TAM prevê crescimento de 5% a 9% na demanda por vôos domésticos. Pretende elevar em 8% a oferta de assentos nas rotas nacionais e em 20% nas internacionais. A empresa também quer manter uma taxa de ocupação total por volta de 70% e lançar uma freqüência ou destino internacional.

No terceiro trimestre de 2008, segundo os dados da companhia, a TAM ficou com 52,4% do mercado doméstico, com média de ocupação de 67,6%. Nos vôos internacionais, a fatia de mercado foi de 75,8%, com média de ocupação de 79,6%.

(Valor Online)