Tamanho do texto

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) confirmou hoje que recebeu do consórcio Energia Sustentável do Brasil, na sexta-feira passada, documentação que atesta que o grupo não terá um sócio adicional (chamado sócio estratégico) para construir e operar a usina hidrelétrica de Jirau, no Rio Madeira (em Rondônia). O consórcio, liderado pela Suez, arrematou a concessão da hidrelétrica em leilão realizado em maio passado.

Além da Suez, integram o consórcio as estatais Chesf e Eletrosul e a empreiteira Camargo Corrêa. As regras do edital prevêem que, após o leilão, o grupo vencedor pode receber um "sócio estratégico", que poderia ser, por exemplo, um fundo de pensão, ou o BNDESPar.

Neste caso, o consórcio decidiu permanecer como estava, o que reduz etapas no processo de concessão. Tanto é que a Aneel antecipou de setembro para o dia 8 de agosto a data para que o consórcio deposite os R$ 650 milhões da chamada "garantia de fiel cumprimento", pela qual o grupo assegura que vai, de fato, construir a usina.