Tamanho do texto

O grupo franco-belga Suez, maior gerador privado de energia do País, começou a discutir com outros interessados em Belo Monte a possibilidade de entrar no leilão. Executivos dos dois consórcios já formados para a disputa - um liderado pela Camargo Corrêa e pela Odebrecht, e outro reunido em torno da Andrade Gutierrez.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561853950&_c_=MiGComponente_C

Paulo que o movimento é recente. Segundo eles, os representantes da Suez Energia Renovável disseram que o grupo ainda não decidiu se entra ou não na disputa, mas a intenção é deixar as negociações amarradas, caso a matriz decida entrar no leilão.

De acordo com os mesmos executivos, a direção do grupo Suez no Brasil seria favorável à participação no projeto e aguardava a publicação do edital de concorrência para discutir o assunto com o comando mundial da empresa. Eles estudam o projeto há muito tempo e montaram uma sala com dezenas de pessoas só para isso na sede brasileira do grupo, no Rio de Janeiro. O Suez já iniciou contato também com fornecedores de equipamento e firmas de projeto.

No plano político, a participação da Suez é uma das esperanças do governo federal para aumentar a competição por Belo Monte. O Planalto queria que o grupo liderasse um novo consórcio, para aumentar a disputa com os outros dois que já se apresentaram. Procurada, a direção da Suez afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que avalia Belo Monte protocolarmente, como faria com qualquer projeto relevante. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo" .

Leia mais sobre: Belo Monte

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.