Tamanho do texto

Rio de Janeiro, 30 out (EFE) - O subsecretário de Estado Adjunto dos Estados Unidos para a América Latina, Thomas Shannon, destacou hoje no Brasil as estreitas relações de confiança entre os dois países, reforçadas com o acordo de cooperação entre os bancos centrais dos dois Governos diante da crise financeira.

Shannon, que esteve hoje em Brasília para participar da terceira reunião do diálogo de associação econômica entre as pastas de Exteriores das duas nações, ressaltou a decisão do Governo dos EUA de criar uma linha de troca de dólares entre o Federal Reserve (Fed, autoridade monetária americana) e o Banco Central.

"Foi uma medida histórica do Federal Reserve e ressalta a importância do Brasil como parceiro econômico e nossa confiança no Brasil como parceiro financeiro", disse Shannon, segundo a "Agência Brasil".

A medida de cooperação com os bancos centrais de Brasil, México, Cingapura e Coréia do Sul, foi anunciada na quarta-feira pelo Fed como uma nova série de ações coordenada para combater a crise financeira internacional.

Shannon destacou "a necessidade de cooperação e troca comercial entre os países".

"Mesmo no meio dessa crise financeira, entendemos que temos que manter nossas economias abertas, temos que resistir ao protecionismo, temos que resistir a nos fecharmos para o mundo", afirmou Shannon em Brasília.

O Governo brasileiro acusou os EUA e outros países desenvolvidos de boicotarem a abertura econômica e comercial, enquanto mantêm fechadas suas próprias fronteiras e aumentam tarifas e cotas à importação de produtos agrícolas e industriais vendidos por nações em desenvolvimento.

Segundo Shannon, a reunião convocada por Bush para 15 de novembro em Washington entre as maiores economias desenvolvidas e emergentes é uma prova da disposição americana de trabalhar em sociedade com seus aliados estratégicos.

"A solução do problema exige políticas fiscais, cooperação entre parceiros e a manutenção de mercados abertos para que o comércio continue nos levando ao crescimento econômico", disse. EFE ol/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.