Tamanho do texto

Por maioria de votos, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido de habeas-corpus que pedia a revogação da prisão preventiva do ex-banqueiro Salvatore Cacciola.

Acordo Ortográfico

O habeas-corpus contesta a prisão preventiva decretada. Os advogados do ex-banqueiro alegaram que ela não estaria fundamentada adequadamente e haveria prejuízo à ampla defesa.

A relatora do caso, desembargadora Jane Silva, considerou que não há prejuízo à defesa e que a fundamentação da prisão preventiva é suficiente.

Cacciola está detido no Presídio de Bangu 8, no Rio de Janeiro, desde que chegou ao País, em 17 de julho, depois de ter sido extraditado pelo Principado de Mônaco.

O ex-banqueiro foi condenado em 2005 a 13 anos de detenção por crimes contra o sistema financeiro. Ele foi dono do falido Banco Marka, que recebeu ajuda do Banco Central em 1999, para cobrir prejuízos com operações de câmbio e evitar a falência. Com a operação, a União contabilizou prejuízo de R$ 1,5 bilhão.

Leia também:

Leia mais sobre Salvatore Cacciola