Brasília, 5 - O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, avaliou hoje que as perspectivas para comercialização da safra 2008/09 de grãos são melhores do que as observadas há três ou quatro meses. A reação dos preços internacionais, disse, diminuiu a necessidade de intervenção no governo na comercialização da safra.

"Para a soja, as perspectivas de mercado são boas. Quem plantou vai ter rentabilidade", afirmou o ministro ao divulgar uma nova estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a safra de grãos que já começou a ser colhida.

Stephanes acrescentou, ainda, que também são boas as perspectivas para a comercialização de açúcar e etanol, quadro que se repete para outros produtos agrícolas. "O arroz manteve produção boa. Para o milho, houve melhora das condições. Os preços estão reagindo", afirmou.

O nível de exportação de milho em novembro e dezembro foi bom, apesar dos temores de queda na demanda em virtude da crise financeira internacional. Em janeiro, lembrou ele, as exportações foram "surpreendentemente boas". Diante desse quadro, o ministro disse que o recurso disponível no orçamento para apoio à comercialização agrícola não deve ser usado.

Trigo russo - O Brasil poderá importar trigo da Rússia para abastecer o mercado interno, tradicionalmente abastecido pela Argentina, afirmou Stephanes. A quebra na safra argentina, em virtude do clima seco, levará o País a buscar outros fornecedores. Estima-se que metade da safra de trigo foi perdida por causa do clima adverso.

O ministro disse que a Rússia tem interesse em vender trigo e fertilizantes para o Brasil, que tem interesse em ampliar as vendas de carne para o mercado russo. Para discutir essas questões comerciais, uma missão russa estará no Brasil em maio, disse o ministro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.