Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Stephanes diz haver divergências sobre preço mínimo para cana

Brasília, 21 - O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou hoje que ainda há divergências sobre a proposta da iniciativa privada para inclusão da cana-de-açúcar na Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM). A definição do preço mínimo permitiria a inclusão da cana nas políticas de apoio à comercialização.

Agência Estado |

O setor privado defende um preço mínimo que cubra os custos de produção, hoje estimados em R$ 55 por tonelada, de acordo com informações do presidente da Comissão Nacional de Cana-de-Açúcar da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Edison José Ustulin.

O ministro participou hoje em Brasília de reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar e do Álcool. Stephanes contou também que não há acordo sobre o modelo para certificação do álcool etanol. "É cedo para estabelecer um modelo", afirmou.

Sobre o Decreto 6.514, publicado no mês de julho, o ministro reafirmou que há uma preocupação do setor quanto às punições para quem descumprir as regras ambientais. A iniciativa privada teme que o decreto, que define penas mais severas para autores de crimes ambientais, impeça a atividade agrícola. "O decreto não inventou nada de novo, mas há alguns defeitos", limitou-se a dizer Stephanes.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG