Brasília, 30 - Apesar das expectativas, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, deixa a pasta sem conseguir colocar um ponto final em dois assuntos importantes para o setor agrícola: o Código Florestal e a questão dos fertilizantes. Após reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro disse que um último ponto da revisão do Código Florestal ainda será debatido pelo governo com representantes do setor.

Brasília, 30 - Apesar das expectativas, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, deixa a pasta sem conseguir colocar um ponto final em dois assuntos importantes para o setor agrícola: o Código Florestal e a questão dos fertilizantes. Após reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro disse que um último ponto da revisão do Código Florestal ainda será debatido pelo governo com representantes do setor. Segundo ele, eram cinco pontos de discórdia, e agora, só há divergências em um ponto. De acordo com técnicos da pasta, a pendência é a autorização ou proibição para plantio nas margens dos rios. Segundo Stephanes, a Agricultura concorda com uma proposta apresentada pelo ministério do Desenvolvimento Agrário, que proíbe o plantio numa faixa de 30 metros ao lado de rios que tenham até dez metros de largura. O ministro disse também que o novo Código Florestal permitirá o plantio de cana-de-açúcar ou a criação pecuária em áreas de encosta, desde que essas atividades sejam desenvolvidas com sustentabilidade. Outro tema tratado na reunião de hoje, mas que ainda não foi concluído, foi a questão dos fertilizantes. O ministro entregou ao presidente Lula os documentos referentes ao plano que tem o objetivo de tornar o Brasil autossuficiente na produção de fertilizantes. Segundo Stephanes, o governo vai avaliar o plano e pretende encaminhá-lo ao Congresso nos próximos meses. De acordo com ele, o presidente quer enviar o texto até o final de seu mandato.
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.