Tamanho do texto

Nova York, 13 out (EFE).- O banco americano Sovereign confirmou hoje que está em negociações avançadas para ser comprado pelo espanhol Santander, mas advertiu que, por enquanto, não há garantias que essa operação se concretize.

"Sovereign confirma que mantém negociações avançadas com o Santander para uma combinação de negócios entre as companhias", informou hoje o banco americano com sede em Wyomissing, na Pensilvânia.

Além disso, indicou que "por enquanto não é possível saber se essas conversas acabarão ou não em um acordo e também não há garantias que se chegue a um pacto", emquanto ressaltou que "não haverá mais comentários até que se alcance o acordo ou as discussões se terminem".

"Seguimos trabalhando para chegar a um acordo", disseram hoje à agência Efe fontes do banco americano sobre o das negociações entre as instituições.

O Santander, maior banco por ativos da Espanha e um dos dez maiores do mundo, adquiriu nos últimos três anos 24,79% do banco americano e dispõe de três postos em seu conselho de administração, um deles ocupado por Gonzalo das Heras.

As negociações entre os bancos estariam tão avançadas que, segundo publicou hoje o diário "The Wall Street Journal", o acordo poderia fechar hoje mesmo.

O banco espanhol, por sua parte, remeteu hoje uma notificação à Comissão Nacional da Bolsa de Valores (CNMV) na Espanha, na qual confirma que mantém as negociações para aquisição de Sovereign.

O valor do banco americano estaria em torno de US$ 2,53 bilhões, segundo o jornal nova-iorquino, já que o referente para a operação seria o preço de fechamento da sexta- feira passada das ações de Sovereign, que acabaram a sessão em US$ 3,81 por título.

As ações de Sovereign na Bolsa de Nova York desciam hoje 3,15% e se situavam em US$ 3,69 por título.

O Sovereign, que segundo analistas teria ativos em torno de US$ 79 bilhões e conta com mais de 700 filiais no nordeste de EUA, emitiu no fim de setembro um comunicado no qual assegurava que tinha somente US$ 200 milhões em dívida com vencimento nos próximos quinze meses, enquanto afirmava estar em situação "completamente saneada".

O Santander, que há vários anos tenta marcar posição no mercado americano - que vê com maiores perspectivas e mais possibilidades que o europeu - mostrou interesse nas últimas semanas em entidades em dificuldades deste país como Washington Mutual e Wachovia.

Os analistas destacaram a posição do primeiro banco espanhol, já que sua exposição aos créditos hipotecários afetados pela crise e outros produtos arriscados é mínima.

O Sovereign foi afetado nos últimos meses pela crise de crédito mundial, especialmente após sua entrada no mercado de empréstimos para a aquisição de veículos, com muita concorrência em preços.

Em janeiro, o Sovereign eliminou seu dividendo após anunciar perdas anuais de US$ 1,3 bilhão (841 milhões de euro), após perder no quarto trimestre US$ 1,60 bilhões de dólares.

Em 30 de setembro, o banco americano designou Paul Perrault, de 57 anos, como novo executivo-chefe e afirmou estar bem capitalizada, além de haver tomado medidas para reduzir seu grau de exposição à crise.

"O Sovereign está bem capitalizado, conforme todos os requerimentos normativos", e conta com um "compromisso de liquidez não utilizado de US$ 12 bilhões de dólares do Federal Home Loan Bank de Pittsburg e do Federal Reserve", assegurou.

O banco americno Também afirmou ter seguido um "metódico processo" nos últimos meses para reduzir o risco através da liquidação de todos seus produtos financeiros respaldados com empréstimos creditícios (CDO, na sigla em inglês), na origem da crise de confiança entre os bancos.

A nomeação de Perrault será efetivo em 3 de janeiro de 2009 e, até então, Kirk Walters, atual vice-presidente executivo e responsável financeiro do banco, assumiu as funções de presidente e executivo-chefe da firma.

O banco americano passou por dias difíceis e no fim de setembro, em uma única sessão suas ações perderam na Bolsa de Nova York 72% de seu valor, fechando a US$ 2,33 por título.

Após anunciar a nomeação de Perrault, os títulos do banco duplicaram seu valor, subindo 122,75% e negociando-se acima de US$ 5, para depois se manterem próximos a US$ 4. EFE ++emm++/++jrh++