Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Socorro imobiliário nos EUA pode chegar a US$ 200 bi

O Tesouro norte-americano afirmou hoje que vai colocar imediatamente US$ 1 bilhão em cada uma das gigantes hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac, através da compra de ações preferenciais seniores, pagando 10% de juros, com o objetivo de evitar novos danos ao sistema financeiro nos EUA. O Tesouro disse ainda que poderá aumentar seu investimento para até US$ 100 bilhões em cada uma ao longo do tempo, se os recursos forem necessários para manter as empresas funcionando.

Agência Estado |

Em troca, o governo vai receber garantias que lhe permitirá comprar participações de propriedade de 7,9% em cada.

Autoridades afirmaram ainda que o Departamento do Tesouro planeja comprar US$ 5 bilhões em dívida lastreada em hipotecas das duas companhias ainda neste mês. O impacto sobre as ações existentes, cujo valor despencou no último ano, vai depender de como os investidores vão reagir à declaração de Paulson de que elas devem absorver o custo de novas perdas primeiro. O Federal Reserve, o banco central norte-americano, e outros órgãos reguladores federais afirmaram em comunicado conjunto divulgado hoje que "um número limitado de instituições pequenas" detém valores significantes de ações ordinárias e preferenciais da Fannie e Freddie, e que os reguladores estão "preparados para trabalhar com essas instituições para desenvolver planos de restauração de capital".

James Lockhart, diretor da Agência Federal de Financiamento de Habitação, informou que o pagamento de dividendos de ações ordinárias e preferenciais será eliminado, o que representa uma economia de US$ 2 bilhões por ano. Os principais executivos de ambas as companhias foram demitidos e o governo americano nomeou interventores para controlá-las. A intervenção foi planejada em conjunto pelo Departamento do Tesouro dos EUA e pela Agência Federal de Financiamento de Habitação. A agência vai atuar como "conservadora" das duas empresas, tomando o controle de suas operações diárias. A agência afirmou que não tem um "período exato" para esse sistema acabar e que o poder dos acionistas das empresas será suspenso até que este momento chegue.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG