O Metrô cedeu a três meses de pressões dos comerciantes de Santo Amaro, na zona sul de São Paulo, e desistiu de derrubar a Galeria Borba Gato, complexo de 98 lojas que fica na Avenida Adolfo Pinheiro e iria para o chão para a construção da Estação Adolfo Pinheiro, extensão da Linha 5-Lilás (Capão Redondo-Largo Treze). Mesmo com o recuo, que vai diminuir de 147 para 50 os imóveis a serem desocupados para as obras, os moradores e lojistas ainda acham exagerada a área a ser desapropriada e acusam o Metrô de fazer especulação imobiliária.

Segundo os lojistas, a empresa irá desocupar mais imóveis do que o realmente necessário para construir lojas ao lado da futura estação e explorá-las comercialmente. Embora o Metrô negue, as suspeitas dos moradores são aumentadas por um documento da própria companhia. O Projeto Funcional da Linha 5, cuja cópia foi obtida pela reportagem, contém a informação de que fica "ampliada a proposta de desapropriações (...) visando aproveitar as estações para implantação de empreendimentos associados".

"Essa proposta de preservar a galeria foi um avanço, mas ainda não estamos satisfeitos", diz Regina Buttner, da Associação de Lojistas e Trabalhadores da Adolfo Pinheiro (Altap), que hoje vai se reunir com representantes do Metrô para discutir o assunto.Ela diz que, mesmo com a garantia de que a galeria será mantida, o projeto de desapropriações continua abrangendo o prédio de ambulatórios da Santa Casa de Santo Amaro, uma empresa onde trabalham 3,5 mil pessoas, um supermercado, banco, agência dos Correios e outras lojas. Na área, trabalham cerca de 9 mil pessoas.

O Metrô justifica dizendo que a área, de 40 mil m², deve mesmo ser desocupada, pois na construção da linha será usado um shield (tatuzão). A passagem da máquina exigiria o espaço. De acordo com informações da companhia, parte das lojas da Galeria Borba Gato terá de ser demolida, mas o Metrô vai reconstruí-las e devolvê-las aos donos depois que a estação estiver pronta. Enquanto duram as obras - a entrega da estação está prevista para 2010 - o Metrô vai alugar um prédio na Rua José de Anchieta, que pertence à Nossa Caixa, e alojar ali os comerciantes.

Nos últimos três meses, moradores e lojistas fizeram dezenas de protestos, passeatas e interdições da avenida, temendo prejuízos pelas desapropriações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.