Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Sob pressão e incertezas, BC mantém juro

Atendendo às expectativas do mercado, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) manteve ontem, por unanimidade, a taxa básica de juros (Selic) em 13,75% ao ano. A medida, se não atendeu ao desejo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva - que gostaria que o juro caísse -, ao menos contemplou a ala desenvolvimentista do governo, que rejeitava nova alta.

Agência Estado |

O BC informou que a decisão foi tomada com base no ambiente de maior incerteza econômica, provocado pelo agravamento da crise externa. "Avaliando o cenário prospectivo e o balanço de riscos para a inflação, em ambiente de maior incerteza, o Copom decidiu, por unanimidade, neste momento, manter a taxa Selic em 13,75% ao ano, sem viés", diz a nota.

O Copom tomou a decisão sob forte pressão, que se intensificou nas últimas semanas, conforme aumentavam os sinais de gravidade da crise financeira. Foi determinante na decisão a expectativa de que a crise mundial afetará a atividade econômica. Esse efeito contracionista do cenário externo já havia sido apontado pelo grupo minoritário do Copom na ata da reunião de setembro, quando a Selic subiu 0,75 ponto porcentual e três dissidentes votaram por 0,50 ponto.

Aquela decisão, entretanto, ocorreu antes da quebra do Banco Lehman Brothers, em 14 de setembro, que inaugurou a fase mais aguda da crise. De lá para cá, as linhas externas de crédito secaram e o Brasil teve de conviver com um problema sério de falta de liquidez, que levou o BC a injetar R$ 45 bilhões no mercado neste mês.

Nesse cenário, prevaleceu o temor de que um maior aperto da política monetária poderia agravar os efeitos da crise externa na economia, com impacto no emprego e na renda. A preocupação de Lula com a decisão do Copom ficou transparente, ontem, quando ele recebeu, no Planalto, o prefeito eleito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), e o atual ocupante do cargo, Fernando Pimentel (PT).

"Vamos ver se o Copom vai fazer o que o (vice-presidente, José) Alencar quer", disse Lula, segundo Pimentel. Alencar é ferrenho defensor da queda dos juros e ontem voltou a criticar o BC. Em encontro com industriais, disse que o Brasil está bem economicamente, "apesar da política monetária".

O economista-chefe do Banco WestLB, Roberto Padovani, chamou atenção para a expressão "neste momento" do comunicado, que indica que o BC vai aguardar novas informações para decidir os próximos passos. O economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale, concordou. "Agora não tinha sentido o BC movimentar a Selic para cima ou para baixo", afirmou.

A economista da Rosenberg & Associados Thaís Zara avaliou que o enfraquecimento da atividade pesou na decisão. "Há sinais de desaceleração contundentes."

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG