Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Skaf defende candidatura de Ciro Gomes à Presidência

SÃO PAULO - Na luta por viabilizar sua candidatura ao governo de São Paulo, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, defendeu hoje que o seu partido, o PSB, escolha o deputado Ciro Gomes (CE) como candidato à Presidência. Os dois vivem uma situação parecida ao tentarem conquistar o apoio da direção do partido para concorrerem no pleito de outubro."Se depender da minha opinião, eu acho que o Ciro deveria ser o candidato à Presidente da República", disse Skaf durante entrevista à Rádio Bandeirantes.

Valor Online |

SÃO PAULO - Na luta por viabilizar sua candidatura ao governo de São Paulo, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, defendeu hoje que o seu partido, o PSB, escolha o deputado Ciro Gomes (CE) como candidato à Presidência. Os dois vivem uma situação parecida ao tentarem conquistar o apoio da direção do partido para concorrerem no pleito de outubro."Se depender da minha opinião, eu acho que o Ciro deveria ser o candidato à Presidente da República", disse Skaf durante entrevista à Rádio Bandeirantes. O presidente da Fiesp ressaltou que o PSB tem até junho, quando ocorrem as convenções partidárias, para tomar uma decisão sobre o tema. A legenda, porém, se reúne na próxima terça-feira para decidir o futuro político de Ciro. Já o PT tenta inviabilizar a candidatura própria do aliado porque entende que, uma vez na disputa, o deputado possa dissipar os votos que seriam destinados para Dilma Rousseff, pré-candidata do PT ao Palácio do Planalto. Apesar disso, as pesquisas de intenção de voto mostram o contrário. Sem Ciro na corrida presidencial, cresce a preferência do eleitorado por José Serra (PSDB)."O que está havendo é uma pressão em cima do PSB no sentido da retirada da candidatura de Ciro", acrescentou. Em relação a sua candidatura, Skaf disse que não vai entrar na disputa apenas para marcar posição, embora apareça nos levantamentos com, no máximo, 2% das intenções de voto. (Fernando Taquari | Valor)
Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG