Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Siderúrgicas chinesas ameaçam boicotar a Vale

As siderúrgicas chinesas estão pressionando a Vale a desistir do novo reajuste no preço do minério que vem sendo pedido pela empresa. De acordo com o Luo Bingsheng, vice-presidente da Associação de Ferro e Aço da China, as siderúrgicas do país podem até boicotar o minério exportado pela Vale se a empresa brasileira insistir no reajuste adicional.

Agência Estado |

A briga já vem se desenrolando há algumas semanas, depois que a Vale decidiu cobrar um adicional de 11% a 11,5% no preço do minério vendido para as siderúrgicas asiáticas, depois de ter acertado, em fevereiro, reajustes de 65% a 71%, dependendo do tipo de produto. Esse aumento deveria ser válido até o ano que vem.

A Vale diz que a exigência seria uma forma de igualar o preço do minério vendido na China ao que a empresa exporta para a Europa - o desconto dado aos asiáticos vinha sendo justificado, até agora, como uma maneira de compensar os preços dos fretes, mais altos, para a região.

Mas o reajuste extra seria também uma forma de tirar a desvantagem da empresa em relação aos preços cobrados na China pelas grandes rivais da Vale no mercado de minério de ferro, as anglo-australianas BHP Billiton e Rio Tinto.

Este ano, as duas empresas quebraram a praxe que vinha sendo seguida nos últimos anos, pela qual o primeiro reajuste fechado por uma mineradora era seguido pelas outras. BHP e Rio Tinto esticaram as negociações com as siderúrgicas asiáticas para bem depois de a Vale ter fechado seu acordo, e conseguiram aumentos de até 100% para o minério.

A justificativa das anglo-australianas para o reajuste maior é o valor do frete menor que as siderúrgicas têm de pagar pelo minério enviado da Austrália. A Vale, porém, argumenta que teria de cobrar mais pelo minério que exporta, especialmente o das minas de Carajás, no Pará, que teria qualidade bem superior ao australiano.

A reação chinesa ao pedido da Vale, no entanto, não foi das melhores. Segundo Bingsheng, a China poderá, como uma espécie de represália, acelerar a expansão da produção das minas do país e reduzir a demanda geral das siderúrgicas, diminuindo as exportações de aço.

"O pedido de aumento da Vale foi um erro, já que o preço de longo prazo do minério de ferro brasileiro e o preço no mercado à vista do minério da Índia alcançaram o mesmo nível", disse o executivo. Segundo ele, os estoques domésticos de minério também estão em níveis elevados.

Bingsheng disse ainda que a China não vai liberar o controle das exportações de aço, e que provavelmente vai apertá-lo ainda mais. Segundo ele, os fortes aumentos das exportações de aço do país em julho e agosto foram movimentos atípicos. A associação de siderúrgicas chinesas disse já ter enviado uma carta formal de protesto à Vale por seu pedido de aumento nos preços.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG