Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Siderúrgica no Pará pode ficar pronta em 2012, diz Agnelli

RIO - O presidente da Vale, Roger Agnelli, confirmou que a empresa planeja antecipar em um ano a entrada em operação da siderúrgica que a companhia construirá em Marabá, no Pará. O objetivo da mineradora é terminar os estudos de viabilidade e engenharia até junho do ano que vem, para que as obras possam começar no fim de 2009, de forma que a usina esteja pronta no fim de 2012.

Valor Online |

Tivemos uma reunião com o presidente (Luiz Inácio Lula da Silva) e o pedido dele foi para que se acelerasse a construção. Queremos terminar até o fim de 2012, frisou Agnelli, que participa, na cidade paraense de Barcarena, da cerimônia de expansão da Alunorte, que terá capacidade de produzir até 6,26 milhões de toneladas anuais de alumina, o equivalente a 7% da capacidade mundial para o produto.

Agnelli também voltou a bater na tecla do licenciamento ambiental e ressaltou que a governadora paraense, Ana Júlia, se comprometeu a acelerar a concessão das licenças necessárias para a instalação da usina.

Ao contrário das outras unidades siderúrgicas que serão instaladas no país e terão a Vale como sócia, essa unidade no Pará - que deverá ter capacidade de produzir cerca de 2,5 milhões de toneladas de aço por ano - não ficará restrita à produção de placas.

Agnelli frisou que o objetivo é a fabricação de bobinas a quente, chapas grossas e chapas de aço, o que possibilitaria, segundo o executivo, a instalação no estado de empresas interessadas em construir vagões, tubos de aço, equipamentos mecânicos e peças e até grandes estaleiros.

O executivo disse ainda que a construção da siderúrgica trará obras de infra-estrutura para a região, como a conclusão da eclusa de Tucuruí e a modernização do porto de Vila do Conde, que permitirá o recebimento de cargas de carvão para o pólo guseiro de Marabá.

Agnelli revelou que, depois da cerimônia, que conta com a presença de Lula, se reunirá com o presidente da Norsk Hydro, Eivind Reiten, para debater a possibilidade de construção de uma nova unidade produtora de alumina no Pará. A empresa norueguesa é uma das sócias da Vale na Alunorte.

(Rafael Rosas | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG