Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Setor aeronáutico crescerá nos próximos 20 anos, diz Boeing

Londres, 9 jul (EFE) - A fabricante aeronáutica americana Boeing disse hoje que esse setor crescerá nos próximos 20 anos, apesar da atual desaceleração da economia mundial e da escalada dos preços do petróleo. A companhia americana, concorrente do consórcio europeu Airbus, fez o prognóstico no relatório anual Perspectiva Atual do Mercado 2008, divulgado em Londres por Randy Tinseth, vice-presidente de marketing de aviões comerciais da Boeing. Segundo a empresa, com sede em Chicago (Estados Unidos), as companhias aéreas de todo o mundo comprarão 29.400 novos aviões comerciais (de passageiros e de carga) até 2027, cujo valor chegará a US$ 3,2 trilhões.

EFE |

O cálculo é 2,8% superior à previsão para as próximas duas décadas feita no ano anterior, quando a Boeing anunciou a venda de 28.600 aeronaves comerciais.

Cerca de 43% dos 29.400 aparelhos entregues até 2027 serão usados para substituir aeronaves, devido "à perda de viabilidade econômica de velhos aviões por causa dos maiores custos do combustível".

Os 57% restantes, indica o relatório, serão destinados a satisfazer a expansão das companhias aéreas, que terão que enfrentar um aumento do tráfego de passageiros de 5% ao ano nas duas próximas décadas.

Segundo a Boeing, as previsões levam em conta "os desafios a curto prazo da indústria", como "o arrefecimento da economia mundial, a alta dos preços do combustível e a queda do crescimento do tráfego em alguns mercados".

Tinseth destacou que "o mercado atualmente é dinâmico e desafiante", e afirmou que o preço do petróleo, que hoje dia ronda os US$ 137 o barril, "seguirá sendo alto" a curto prazo.

No entanto, prosseguiu o diretor, o preço do petróleo "se moderará com o passar do tempo" até os "US$ 70 ou US$ 80" por barril como conseqüência de um eventual reajuste da oferta e da demanda.

Em fevereiro, a Airbus informou que as linhas aéreas adquirirão nos próximos 20 anos 24.300 aviões estimados em US$ 2,8 trilhões, uma previsão mais pessimista que a do adversário. EFE pa/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG