SÃO PAULO - A Câmara Legislativa do Distrito Federal empossou hoje os sete deputados suplentes que foram convocados para analisar o processo de impeachment contra o governador licenciado José Roberto Arruda (sem partido). Os suplentes substituirão os parlamentares afastados por determinação do Tribunal de Justiça do DF por suspeita de envolvimento no mensalão do DEM, esquema de corrupção que envolvia o pagamento de propina em troca de apoio político. A convocação atende apenas para as discussões e deliberações relacionadas aos processos de impeachment contra Arruda por quebra de decoro parlamentar.

O afastamento do governador licenciado, considerado pela Polícia Federal como mentor do escândalo de corrupção, foi aprovado na sexta-feira pelo Comissão Especial e segue para votação no plenário, que deve ocorrer na quinta-feira. Para ser aprovado, o parecer precisa contar com o apoio de maioria simples (13 votos).

A partir daí, Arruda será notificado e terá 20 dias para apresentar sua defesa. Quando este prazo expirar, ocorre nova votação. Se permanecer o desejo pelo impeachment, Arruda será afastado por 120 dias. Neste período, começa o processo de cassação, que será avaliado por cinco deputados distritais e cinco desembargadores do TJ-DF. Assim, Arruda pode ficar cinco anos inelegível.

Os suplentes convocados são: Roberto Lucena (PMDB), Wigberto Tartuce (PMDB), Ivelise Longhi (PMDB), Washington Gil Mesquita (DEM), Joe Valle (PSB), Mário da Nóbrega (PP), Olair Francisco (PT do B) e Raad Massouh (DEM), que assume em definitivo, em razão da renúncia de Leonardo Prudente (sem partido).

(Fernando Taquari | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.