Tamanho do texto

O pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, afirmou hoje que, se eleito, promoverá um ajuste fiscal nas contas do País a partir do corte de gastos do governo federal. Crítico das taxas de juros praticadas no Brasil, o tucano disse que qualquer mudança na política econômica será feita com "muita responsabilidade".

O pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, afirmou hoje que, se eleito, promoverá um ajuste fiscal nas contas do País a partir do corte de gastos do governo federal. Crítico das taxas de juros praticadas no Brasil, o tucano disse que qualquer mudança na política econômica será feita com "muita responsabilidade". "Eu ajudei a erguer a mesa. Não vou derrubá-la", disse, em referência à sua participação na área econômica do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). As afirmações foram feitas na manhã de hoje em entrevista de duas horas e vinte minutos à Rádio Jovem Pan AM, em São Paulo.<p><p>Serra disse acompanhar com atenção os gastos federais. "Tenho certeza que, chegando lá, vamos fazer um diagnóstico e arrumar a questão fiscal, arrumar a casa do ponto de vista das contas", prometeu. "Os juros são muito altos, o câmbio não é bom. As mudanças aí têm de ser responsáveis, bem-feitas, pontuais, pensando sempre na questão fiscal, do déficit do governo. Quanto maior é o déficit, mais ele ajuda os juros a serem altos." O tucano disse ter experiência em reorganizar finanças públicas, pois fez isso como secretário da gestão de Franco Montoro, em São Paulo, e como prefeito da capital paulista.<p><p>Para o presidenciável, "uma das coisas boas" da gestão de Luiz Inácio Lula da Silva foi ter mantido a política econômica de FHC. "Quem fez câmbio flutuante, responsabilidade fiscal e metas de inflação foi o governo passado. O governo Lula herdou do governo Fernando Henrique. Herdou e manteve", disse Serra. "Nos primeiros anos, a política econômico-financeira do governo Lula foi a do governo anterior. Fez bem."<p><p>O presidenciável disse não planejar a privatização de empresas estatais em seu eventual governo e cutucou Lula: "Quem era contra a privatização teve oito anos para mudar tudo. Ninguém mudou nada." Para Serra, "o que tinha de ser privatizado, já foi", como siderurgia, petroquímica e telecomunicações. Ele afirmou ainda que não pretende privatizar o Banco do Brasil, a Caixa ou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), mas fortalecê-los, para usá-los como "instrumentos de política econômica". "É impossível fazer política de crédito agrícola sem o BB ou política habitacional sem a Caixa."<p><p>O pré-candidato criticou a estrutura aeroportuária e colocou a questão como um gargalo para o desenvolvimento do País. Ele citou como situação crítica os aeroportos de Viracopos (SP), Cumbica (SP) e Confins (MG) e classificou a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) como "não eficiente". Apesar disso, Serra afirmou que, se eleito, não privatizará a empresa, mas apostará em concessões de aeroportos.<p><p>Em relação à política comercial externa do País, Serra defendeu medidas para aumentar as exportações, por meio de melhorias na infraestrutura e de uma política comercial mais "agressiva". "Nos últimos anos, foram assinados cem tratados de livre comércio entre nações. Sabe quantos feitos pelo Brasil? Um."
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.