Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Serasa rebaixa notas de crédito de empresas do país

A classificação de risco de crédito das maiores empresas do País piorou neste fim de ano, refletindo os estragos causados pela crise. A Serasa Experian acaba de revisar as notas de crédito de 276 companhias com faturamento superior a R$ 800 milhões e o resultado foi que a nota média desse seleto grupo passou de 4,5 para 5,2 - quanto maior o número, maior a probabilidade de calote.

Agência Estado |

As empresas com avaliações muito favoráveis eram 231, 84% da amostra, e agora passaram a ser 197, ou 71%, o que representa rebaixamento de 34 delas para classes de médio ou de alto risco. Na classe intermediária, a participação subiu de 16 % para 27% (de 44 para 75 empresas). No alto risco e em default (calote), onde havia uma empresa, agora são quatro.

“Esses resultados servem como sinal de alerta para que os gestores de crédito comecem a tomar suas decisões”, diz Márcio Torres, gerente de crédito da Serasa que coordenou o trabalho de revisão do chamado rating de crédito das empresas. Segundo ele, essas decisões envolvem desde redução nos limites de crédito até aumento nos juros cobrados das empresas. Ou seja, haverá obstáculos adicionais para a obtenção de financiamento. A Serasa é a maior empresa de informações para crédito da América Latina e tem entre os clientes todos os bancos que atuam no País.

Para o economista Júlio Sérgio Gomes de Almeida, professor da Unicamp e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, a mudança na avaliação de risco é uma análise de curto prazo, porque reflete o momento agora e não a real situação financeira das empresas de médio e longo prazos, que é muito melhor que a atual. “Se os bancos se guiarem por essa fotografia de curto prazo e encarecerem o crédito, vão causar problemas para as empresas e a economia brasileira.” Os ratings de crédito das empresas avaliadas pela Serasa têm caráter sigiloso, impedindo sua divulgação pontual. “Mas os dados agregados nos fornecem uma visão ampla da situação desse conjunto de empresas”, pondera Torres. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG