O influente senador democrata Chuck Schumer sugeriu nesta quarta-feira que o Congresso aceite o plano de resgate dos bancos apresentado pelo Tesouro, desde que aplique este plano por etapas, ao invés de liberar 700 bilhões de dólares de uma vez.

"Proponho que apliquemos este plano por etapas. Se eles (os bancos) precisam de 50 bilhões de dólares por mês, aprovemos um plano de três meses, e vejamos como funciona", declarou Schumer, presidente da comissão econômica conjunta do Senado e da Câmara dos Representantes.

Da maneira como foi apresentado, o plano do secretário do Tesouro Henry Paulson "nada mais é que um pedido de cheque em branco", considerou Schumer, entrevistado pela rede de televisão CNN.

Paulson apresentou terça-feira ao Senado seu plano de resgate dos bancos, pedindo aos parlamentares que dessem carta branca ao Tesouro para recomprar com fundos públicos os ativos invendáveis dos bancos, até 700 bilhões de dólares. No entanto, seus argumentos não convenceram os parlamentares.

Schumer lembrou as três condições impostas pelos democratas para aceitar o plano: que os contribuintes não paguem a conta sozinhos, que medidas seja tomadas em favor dos acedentes à propriedade e que um organismo de controle seja instalado para vigiar a atividade do Tesouro.

Ele propôs a criação de uma agência federal à qual adeririam "todas as empresas de serviços financeiros, que "pagariam uma comissão mensal, contribuindo assim para o financiamento deste plano".

"Isso não resolveria tudo, mas os contribuintes se sentiriam melhor se não tivessem que pagar a conta sozinhos", afirmou.

mj/yw/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.