O Senado dos EUA deu hoje a aprovação final ao projeto de US$ 17,5 bilhões que cria um crédito fiscal para a folha de pagamentos de empregadores que contratarem norte-americanos desempregados. A votação, por 68 votos a favor e 29 contra, contou com alguns republicanos que, juntamente com a maioria democrata, apoiaram a medida.

O projeto será agora enviado para a assinatura do presidente Barack Obama.

A projeto liberará os empresários de pagar seus 6,2% de impostos federais sobre a folha de pagamentos pelo resto de 2010 sobre os novos empregados que contratarem e que estavam sem trabalho por, pelo menos, dois meses. Se o trabalhador ainda estiver na folha em um ano, o empresário receberá mais um crédito fiscal de US$ 1 mil. Entre outras medidas, o projeto também contém uma extensão dos subsídios federais direcionados aos custos de governos na construção e nos reparos de estradas e pontes.

Os democratas esperam que a medida convença os empregadores do setor privado a voltar a contratar. Apesar das firmes indicações de que uma recuperação econômica está gradualmente ganhando força nos EUA, os mercados de trabalho continuam lentos. A taxa de desemprego está em 9,7%, mais que dois pontos porcentuais acima que em janeiro de 2009, quando Obama tomou posse.

Democratas no Senado disseram que este é o primeiro de pelo menos quatro projetos, destinados a estimular o crescimento econômico e o emprego, que planejam aprovar nos próximos meses. No caso deste projeto, os democratas afirmam que o custo de US$ 17,5 bilhões será totalmente compensado por economias em outros itens do orçamento federal. Ben Nelson foi o único senador democrata a votar contra o projeto, argumentando que fundos do plano de recuperação econômica do ano passado deveriam ser usados para compensar os custos desta nova lei. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.