O Senado dos Estados Unidos rejeitou na noite de quarta-feira uma proposta para eliminar do gigantesco pacote de estímulo econômico em debate a cláusula Buy American (Compre Americano), que irritou os parceiros do país e provocou advertências sobre uma guerra comercial.

Os congressistas rejeitaram por 65 votos contra 31 a emenda apresentada pelo senador e ex-candidato a presidência republicano John McCain, que teria eliminado a polêmica medida que restringe a forma de gastos do plano de estímulo de quase 900 bilhões de dólares.

"Se aprovaramos esta medida, será apenas questão de tempo antes de enfrentarmos uma série de medidas protecionistas similares de outros países, desde 'Compre Europeu' até 'Compre Japonês' e mais", alertou McCain antes da votação.

O senador afirmou que manter a cláusula seria uma vergonha para o presidente Barack Obama durante sua primeira viagem ao exterior, no dia 19 de fevereiro, ao Canadá, principal sócio comercial dos Estados Unidos.

Obama tem criticado duramente a restrição. Democratas afirmaram que o melhor momento para obter a eliminação da mesma será quando os membros da Câmara de Representantes e do Senado tentarem conciliar suas versões do pacote econômico.

Os defensores da cláusula protecionista, principalmente democratas, alegam que ela garantirá que o dinheiro da ajuda fiscal não saia do país.

No entanto, McCain advertiu que a medida - que proíbe gastos em projetos a não ser que o ferro, aço e produtos de manufatura utilizados sejam produzidos nos Estados Unidos - viola as obrigações do país sob os acordos de comércio internacional e desatará guerras comerciais, o que agravaria a recessão.

A União Européia e o Canadá criticaram a cláusula "Buy American" e afirmaram que esta pode dar início a uma tendência global de represálias comerciais e ser um mau exemplo para outros países que preparam planos de estímulo econômico.

ok/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.