SÃO PAULO - A Semp Toshiba fabricou o primeiro aparelho de rádio e o primeiro televisor no Brasil. Em 1996, ingressou no mercado de informática e, recentemente, fez sua estréia na área de celulares.

Agora, com o plano de dobrar o faturamento até 2012, a empresa prepara-se para competir em um novo segmento, que foge a seu tradicional mercado de eletrônicos de consumo: a linha branca, que reúne eletrodomésticos. Sem sair da sala de estar, a Semp Toshiba quer chegar à cozinha.

A previsão é de que a produção local tenha início no próximo semestre. A princípio, está prevista a fabricação de geladeiras, lavadoras e refrigeradores de ar. " O local ainda foi definido, mas é muito provável que não seja em Manaus nem em Salvador, onde estão as fábricas atuais " , diz Afonso Hennel, presidente da Semp Toshiba. " Abriremos uma nova fábrica para essa linha. "
O investimento inicial da nova empreitada ainda não foi definido, afirma o executivo. A origem dos recursos que serão empregados também está em estudos.

A iniciativa é parte da estratégia da empresa para diversificar a produção e, dessa forma, agregar valor à marca. Para reforçar a nova abordagem, a companhia iniciou ontem uma nova campanha publicitária batizada de " Um país chamado Semp Toshiba " . " O brasileiro já percebe a importância de estar em contato com tudo a toda hora " , diz Hennel.

É sob essa diretriz que a empresa começou a investir recentemente na área de mobilidade, incluindo celulares, GPS e aparelhos que gravam e reproduzem vídeos e música. O principal lançamento nessa linha é um modelo de celular que capta o sinal de TV digital. Até o fim do ano, diz Hennel pelo menos mais um modelo será lançado, aproveitando a onda da terceira geração de telefonia. " A pujança desse mercado nos atraiu. O Brasil já tem cerca de 130 milhões de assinantes; ultrapassamos o número de linhas no Japão " , diz Hennel.

Os notebooks também são considerados peças-chave na área de mobilidade. Atualmente, a unidade Semp Toshiba Informática (STI), que é responsável por um terço da receita total da empresa, trabalha em um modelo de mini-notebook.

Trata-se de uma categoria de equipamentos de tamanho reduzido e recursos simplificados. Inicialmente, esse tipo de máquina chamou a atenção por ser alvo de projetos públicos para distribuição de computadores a alunos da escola pública. Mais recentemente, porém, mini-notebooks de vários fabricantes começaram a fazer sucesso entre os consumidores comuns. " Queremos desenvolver um modelo que atenda aos requisitos mínimos que um usuário precisa para interagir com o produto " , diz Caio Ortiz, vice-presidente de marketing e vendas da companhia.

O grupo é resultado de uma associação entre a brasileira Semp, que detém participação de 60% no negócio, e a japonesa Toshiba, que funciona como parceira tecnológica. No ano passado, o faturamento da Semp Toshiba chegou a R$ 2,2 bilhões. A projeção de crescimento para este ano é de 10%.

Na semana passada, por conta da crise econômica internacional, a companhia anunciou um aumento de 10% em toda sua linha de produtos. Hennel diz que os contratos assinados até dia 1º de outubro serão respeitados. Os novos virão com esse acréscimo. " Acredito que essa crise não afetará muito o mercado brasileiro em geral " , afirma.

Há dez anos no comando da empresa, Hennel brinca que está na hora de se aposentar. Com todas as tecnologias que surgiram nesse intervalo de tempo, ele diz que é difícil prever com exatidão quais serão os próximos grandes degraus tecnológicos. O caminho mais cauteloso, afirma o empresário, é permanecer próximo dos anseios do consumidor.

Essa é a razão pela qual a empresa é uma das poucas que ainda fabrica televisores convencionais. " Não podemos abandonar um mercado representado por 80% da população " , diz Hennel.

A Semp Toshiba entrou com um certo atraso no mercado de TVs de plasma e cristal líquido. " Apenas 20% da população representa o público que consome plasma e LCD. A Semp posicionou-se nos dois mercados, mas a maior parte do faturamento vem de TVs convencionais " , informa Hennel.

Na sexta-feira, a empresa publicou o edital de oferta pública para recomprar as ações da Semp Toshiba S.A., com a intenção de cancelar o registro de companhia aberta. A decisão havia sido tomada em junho pelo conselho de administração da companhia.

A Semp Toshiba Amazonas, de capital fechado, tem 92% do capital da Semp Toshiba S.A. e vai pagar R$ 16,70 por ação pelos 8% que estão no mercado - cerca de 779,5 mil ações ordinárias. O leilão será no dia 4 de novembro na Bovespa.

Com 434 funcionários, a Semp Toshiba S.A. fabrica aparelhos eletrônicos e componentes, além de atuar como revenda.

A empresa não tem representatividade no mercado acionário, mas é uma das mais antigas da bolsa. A então Semp Rádio e Televisão S.A. obteve o registro de companhia aberta em 1971.

(Manuela Rahal | Valor Econômico. Colaborou Nelson Niero)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.