O deputado Júlio Semeghini (PSDB-SP), que integra a Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara, questionou há pouco o fato de o ex-ministro José Dirceu ter prestado consultoria para um sócio da Eletronet, conforme denúncia feita hoje pela Folha de S.Paulo.

"Mais uma vez, há uma mistura do que é público com o privado, do que é moral ou do que é legal. Acho que uma pessoa pública não deve dar consultoria num momento desse sobre esse assunto", disse Semeghini, afirmando que notícias como essas atrapalham o avanço da banda larga no Brasil.

Segundo ele, o governo começou a discussão do programa de expansão da banda larga do jeito errado, discutindo a necessidade de uma empresa estatal para gerir o processo, e não do que o Brasil realmente precisa. O deputado defendeu que seja aberto na Câmara um espaço para discutir o assunto, principalmente a movimentação com as ações da Telebrás na Bolsa de Valores. "Queremos saber o que houve de fato, quem se beneficiou com o aumento dessas ações", afirmou.

O presidente da Oi, Luiz Eduardo Falco, disse que a matéria publicada pela Folha de S.Paulo politiza o fato. "Não é uma matéria técnica", disse o executivo, acrescentando que o ambiente de discussão desse assunto não é empresarial, e sim político.

O presidente da Telefônica, Antônio Carlos Valente, não quis fazer comentários sobre o tema, dizendo desconhecer as informações da reportagem. Ele disse apenas achar interessante que o governo utilize as fibras ópticas de que dispõe e que pertencem a empresas estatais.

O deputado e os presidentes da Oi e da Telefônica fizeram as declarações depois de participarem de seminário que discutiu o desafio da banda larga.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.