O governo argentino e os ruralistas novamente não conseguiram superar o impasse nas negociações e nenhum progresso foi feito nas principais questões que afetam o setor, disseram os líderes das quatro principais entidades rurais do país ao fim da quarta reunião entre as partes, realizada ontem. O governo esteve representado pela ministra de Produção, Débora Giorgi, e o ministro do Interior, Florêncio Randazzo.

O presidente da Federação Agrária Argentina, Eduardo Buzzi, disse que, sem avanços nas "retenciones" (como são chamados os impostos sobre a exportação), os ruralista se declararam em "alerta e mobilização", de acordo com o jornal argentino Clarín. Os temas sem acordo terão de ser buscados no Congresso, acrescentou Buzzi.

Com o impasse, os ruralistas lançaram um "plano de luta", com mobilização nacional para pressionar o Congresso argentino a aprovar um projeto com objetivo de remover do poder executivo o manejo dos direitos de exportação, informa o site do jornal Âmbito Financiero.

O governo argentino tem feito um número de concessões com relação as exportações agrícolas e subsídios, mas tem se recusado a aceitar a principal demanda dos fazendeiros para reduzir os impostos sobre a exportação de grãos. Os fazendeiros pressionam o Congresso para reduzir esses impostos, mas não parece provável que sejam capazes de reunir os votos necessários neste ponto. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.