Tóquio, 09 - A Nippon Oil Corp. e cinco outras empresas japonesas afirmaram hoje que irão unir forças para desenvolver tecnologia para a produção de etanol de celulose.

Com os preços do milho disparando nos últimos anos em virtude da expectativa de aumento na demanda futura por produção de etanol, muitos países ricos procuram novas tecnologias que possibilitem a produção do biocombustível a partir de matérias-primas não comestíveis.

Com esse objetivo, a Nippon Oil e as outras cinco empresas parceiras - Mitsubishi Heavy Industries Ltd., Toyota Motor Corp., Kajima Corp., Toray Industries Inc. e Sapporo Engineering Ltd. - estabelecerão, no fim deste mês, uma organização de pesquisa com a meta de produzir 200 milhões de litros de etanol por ano a 40 ienes por litro (cerca de US$ 0,43 por litro) até 2015. Segundo Ikutoshi Matsumura, vice-presidente da Nippon Oil, o investimento será de bilhões de ienes.

No fim de 2005, a Associação de Petróleo do Japão (PAJ, na sigla em inglês), organização de refino da indústria, prometeu ao Ministério da Economia, Comércio e Indústria, misturar 360 milhões de litros de etanol à gasolina que as empresas membro produzem e vendê-los no ano fiscal que começa em abril de 2010, como parte dos esforços do Japão para reduzir as emissões de dióxido de carbono sob o Protocolo de Kyoto.

Membros da PAJ atualmente compram etanol do Brasil e, após processamento, misturam o produto à gasolina. No entanto, em um prazo mais longo, "queremos nós mesmos produzir etanol para garantir que tenhamos uma oferta estável", afirmou Matsumura. "Temos que nos apressar, senão o mercado global será ocupado por rivais estrangeiros", disse Takaaki Tsukada, gerente da Divisão de Engenharia Ambiental da Kajima. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.