Os pedidos de auxílio-desemprego feitos nos Estados Unidos na semana encerrada no último sábado (dia 15) subiram em 27 mil, para um nível sazonalmente ajustado de 542 mil pedidos, o maior desde julho de 1992, informou hoje o Departamento de Trabalho norte-americano. Economistas esperavam queda de 11 mil pedidos.

A média quadrissemanal de pedidos aumentou para 506,5 mil, o maior nível desde janeiro de 1983 e bem acima do nível de 400 mil normalmente associado a recessões.

Os benefícios recebidos há mais de uma semana saltaram 109 mil para 4,012 milhões na semana encerrada no sábado anterior (dia 8), o nível mais alto desde dezembro de 1982. A taxa de desemprego para os trabalhadores que recebem o benefício aumentou 0,1 ponto porcentual, para 3%, a maior desde junho de 2003.

Casa Branca

Depois da divulgação dos dados sobre pedidos de auxílio-desemprego, a Casa Branca disse que agora apóia uma extensão dos benefícios aos desempregados. "Por causa das condições apertadas no mercado de trabalho, o presidente (dos EUA, George W. Bush) acredita que seria apropriado estender os benefícios, e ele deve sancionar a lei que tramita no Congresso", disse a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino.

O Senado deve votar ainda hoje o projeto aprovado pela Câmara de Representantes de estender o seguro-desemprego em sete semanas, para os desempregados cujos benefícios venceram, e em 13 semanas para aqueles que moram em Estados onde a taxa de desemprego é superior a 6%.

"A recente crise financeira e de crédito desacelerou a economia, e isso tem impacto sobre a criação de empregos", disse Perino. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.