Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Secretário-geral da OCDE diz que recessão econômica continuará em 2009

Paris, 23 dez (EFE).- O secretário-geral da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Ángel Gurría, afirmou que a recessão da economia se prolongará quase até o final do ano que vem e que um retorno à normalidade só deverá ocorrer em 2011.

EFE |

Em declarações à emissora de rádio "France Info", Gurría disse que a recessão vai continuar "pelo menos até a primeira metade de 2009 ou inclusive até o terceiro trimestre" e depois virá "um começo de crescimento positivo no final de 2009" que, no entanto, será fraco, para "um retorno à normalidade em 2011".

Para sair o mais rápido possível da atual situação, o político mexicano aconselhou à União Européia (UE) que vá adiante nos planos de relançamento econômico apresentados nas últimas semanas, assim como os Estados Unidos e a China, e também recomendou um investimento nas tecnologias "verdes", que além dos efeitos ambientais têm um forte potencial econômico.

Gurría ressaltou à emissora francesa que o setor de construção será "fortemente afetado".

Ele também afirmou que haverá problemas na atividade dos serviços e do turismo pelo "efeito cascata" da crise.

Em resumo, no ano que vem se chegará ao fundo do poço no atual período de crise econômica, com 20 a 25 milhões de novos desempregados no mundo, dos quais entre oito e dez milhões nos 30 países da própria OCDE.

O secretário-geral advertiu que nenhum estado ficará a salvo da crise, de modo que as exportações de alguns emergentes como China e Índia também serão afetadas.

Em seu último relatório de perspectivas econômicas, publicado em 25 de novembro, a OCDE afirmava que a economia de seus países-membros tinha entrado em recessão desde o terceiro trimestre deste ano, uma situação que se prolongará em 2009, com uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,4%.

A evolução deveria ser novamente positiva em 2010, com uma recuperação limitada a 1,5%, sempre de acordo com os números de novembro. EFE ac/ab/dp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG