SÃO PAULO - O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, vai se encontrar com o vice-premiê chinês, Wang Qishan, em Pequim na quinta-feira, no retorno aos Estados Unidos de sua viagem à Índia. A visita foi confirmada diante de possíveis sinais de que a China vai mudar sua política de manter o yuan atrelado ao dólar a uma taxa quase fixa, destacou o jornal New York Times (NYT). O encontro de Geithner com Wang Qishan será fechado à imprensa, segundo o porta-voz do Tesouro americano, Andrew Williams, que também não quis falar dos tópicos que serão abordados na reunião. Não há previsão de divulgação de um comunicado após a conversa.

SÃO PAULO - O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, vai se encontrar com o vice-premiê chinês, Wang Qishan, em Pequim na quinta-feira, no retorno aos Estados Unidos de sua viagem à Índia. A visita foi confirmada diante de possíveis sinais de que a China vai mudar sua política de manter o yuan atrelado ao dólar a uma taxa quase fixa, destacou o jornal New York Times (NYT). O encontro de Geithner com Wang Qishan será fechado à imprensa, segundo o porta-voz do Tesouro americano, Andrew Williams, que também não quis falar dos tópicos que serão abordados na reunião. Não há previsão de divulgação de um comunicado após a conversa. O Wall Street Journal (WSJ) reportou que a iniciativa de encontrar com um alto representante do governo chinês veio após a decisão de Geithner de adiar a apresentação semestral do Tesouro ao Congresso sobre política cambial dos principais parceiros comerciais. Existiam comentários de que a China seria classificada como manipuladora do câmbio. Vários legisladores dos EUA já pediram à administração Barack Obama para considerar Pequim como manipulador do câmbio, notando que a China subvaloriza o yuan para dar às suas exportações uma vantagem competitiva no mercado global. Autoridades chinesas negam, contudo, que sua moeda é mantida artificialmente baixa. Ontem, na Índia, Geithner comentou que as relações econômicas daquele país com os Estados Unidos oferecem boas oportunidades de crescimento para companhias de ambas regiões e que a expansão futura da Índia vai depender de investimentos em infraestrutura pública. O secretário americano aproveitou a ocasião para reforçar que a economia dos EUA está crescendo há três trimestres. "Ao mesmo tempo que o desemprego permanece inaceitavelmente alto, a economia adicionou vagas durante quatro dos últimos cinco meses", salientou. "O investimento privado está crescendo e o avanço na produtividade é muito expressivo. O sistema financeiro está se recuperando", avaliou Geithner. Nesta quarta-feira, ele participa de uma mesa-redonda com companhias financeiras americanas e empreendedores indianos em Mumbai. (Juliana Cardoso | Valor, com agências internacionais)
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.