BRASÍLIA - A partir de hoje o secretário de Planejamento, Orçamento e Administração, Wilson Roberto Trezza, responde pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A determinação está nesta edição do Diário Oficial da União, assim como o afastamento temporário da diretoria da agência.

De acordo com o texto, o afastamento é preventivo, enquanto durarem as investigações sobre o possível envolvimento da agência com escutas telefônicas ilegais. O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República afastou o diretor-geral da Abin, Paulo Lacerda, o diretor-geral adjunto, José Milton Campana, e o diretor de Contra-Inteligência, Paulo Maurício Fortunato Pinto.

A Abin é suspeita de ter realizado escutas no gabinete do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, e de outras autoridades, segundo reportagem publicada pela edição desta semana da revista Veja. A Polícia Federal vai investigar o caso.

O governo anunciou a decisão no fim da tarde ontem, horas depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter se reunido com Gilmar Mendes, no Palácio do Planalto, para tratar do assunto. O objetivo do afastamento da direção da Abin é assegurar a transparência do inquérito da PF, segundo nota distribuída pelo Palácio do Planalto.

(Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.