BRASÍLIA - A nova secretária da Super Receita, Lina Vieira, criticou hoje alguns pontos da fusão da Receita Federal com a Secretaria de Arrecadação Previdenciária, promovida por seu antecessor, Jorge Rachid, em meados do ano passado. Segundo ela, algumas coisas não foram bem feitas, há caos no atendimento ao público e vivências constrangedoras entre os servidores.

Em seu primeiro contato direto com os subordinados, ao abrir seminário interno sobre Planejamento Estratégico 2008-2011 de Tributação, Lina disse que a saída de Rachid na semana passada para todos foi uma perda, porque ele fez um excelente trabalho e foi competente.

A troca de Rachid por Lina Vieira foi conhecida por meio do Diário Oficial da União, e ainda não foi explicada oficialmente. No discurso, ela ponderou que toda substituição em cargo público é positiva, pois a temporariedade dá chances de rodízio entre os servidores.

Adotando um tom conciliador, Lina procurou enfocar a questão da fusão que criou a Super Receita. Disse ter recebido a missão de melhorar a qualidade dos centros de atendimento, porque o fisco é um órgão de excelência, voltado para o contribuinte.

Mas temos encontrado muitas dificuldades, principalmente no atendimento, vivências constrangedoras para quem trabalha atendendo ao cidadão. Disse que muitos funcionários da Previdência Social estão retornando ao órgão de origem, porque estão insatisfeitos, e magoados pela forma como foram recebidos na organização.

Ela ressaltou que não estava na direção do órgão quando a fusão ocorreu. Mas sinto, pelo que estamos colhendo, que algumas coisas não foram bem feitas, nessa área de pessoas, afirmou. As coisas você vai administrando, mas as pessoas você tem que liderar com competência, entender a alma humana para conduzir bem a organização.

A secretária disse estar tomando pé da situação. Estamos correndo atrás do prejuízo em relação ao caos que estamos vivendo na ponta, disse.

Ela prometeu aparar as arestas legais, eliminar desvios que ainda incompatibilizam atribuições e salários entre funcionários dos dois órgãos. Logo após a fusão, funcionários do INSS entraram em greve em 2007 por perda de remuneração com a transferência.

A secretária destacou que a criação da Super Receita foi importantíssima para o governo do ponto de vista fiscal, pois houve melhora na receita previdenciária.

(Azelma Rodrigues | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.