Ribeirão Preto, 14 - As vendas externas de suco de laranja não-concentrado (NFC), denominação dada à bebida fresca, puxaram a alta de 15,84% na receita total da exportação brasileira da commodity em julho deste ano, ante igual período de 2007. Julho marca o primeiro mês do ano-safra 2008/2009.

O faturamento total com as exportações de suco de laranja no mês passado atingiu US$ 163,85 milhões, ante US$ 141,44 milhões em julho de 2007, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior.

Enquanto a receita com o suco concentrado e congelado (FCOJ), ainda o principal produto da indústria processadora brasileira, caiu 0,41%, de US$ 105,41 milhões para US$ 104,98 milhões, se comparados os mesmos períodos, o faturamento com o NFC disparou 63,41%. De acordo com a Secex, as vendas externas de suco de laranja fresco em julho movimentaram US$ 58,87 milhões, ante US$ 36,03 milhões no mesmo mês de 2007.

Na safra passada, o volume exportado de suco fresco superou 1,1 milhão de toneladas, enquanto as vendas do concentrado e congelado ficaram em 900 mil toneladas, na primeira vez em que o NFC ultrapassou o FCOJ em volume exportado. Como o NFC tem só até 20% de sólidos e muito mais água e o FCOJ tem concentração em 66%, as vendas deste último ainda são maiores quando há uma equivalência nos níveis de concentração. Neste primeiro mês de safra, os volumes dos dois tipos de suco foram praticamente iguais: 72,18 mil toneladas de FCOJ e 71,71 mil toneladas de NFC.

O Brasil é o maior produtor e exportador de suco de laranja do mundo. Na safra passada, entre julho de 2007 e junho de 2008, a receita com as exportações brasileiras de suco de laranja atingiu US$ 2,031 bilhões, alta de 0,7% ante os US$ 2,017 bilhões da safra 2006/2007. Já o volume total da bebida atingiu 2,025 milhões de toneladas, alta de 3% sobre 1,966 milhão de toneladas se comparados os mesmos períodos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.