Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

SEC defende regras urgentes para derivativos

O presidente da Securities and Exchange Commission (SEC, a comissão de valores mobiliários dos Estados Unidos), Christhoper Cox, disse ontem que o mercado de derivativos conhecidos como Credit default Swaps (CDS) precisa ser regulamentado imediatamente porque está propenso a fraudes e manipulação. Os CDS são um tipo de instrumento financeiro que protege investidores contra prejuízos em outras aplicações.

Agência Estado |

Esse mercado movimenta US$ 62 trilhões no mundo e levou à quebra da seguradora American International Group (AIG) na semana passada.

O presidente da SEC disse que nem a SEC nem qualquer outro órgão regulador tem autoridade sobre o mercado de CDS, que não tem nenhuma "transparência".

Os CDS funcionam como um "seguro", comprado por alguém que faz pagamentos periódicos ao vendedor para se proteger de um possível calote em algum investimento. Eles não são negociados em bolsas, mas diretamente entre fundos de investimento e bancos ou seguradoras, com muito menos controle.

No caso da AIG, a seguradora vendeu bilhões em CDSs e teve perdas quando os detentores dos derivativos sofreram calotes em seus investimentos. A seguradora AIG, a maior dos Estados Unidos, tinha "vendido" US$ 400 bilhões em CDSs, sendo US$ 58 bilhões em CDSs que garantiam hipotecas de alto risco
Muitos investidores usam os CDS só para especular, já que não possuem o suposto "investimento" a ser garantido. Cox disse ontem, em audiência no Senado americano, que esses investidores estão especulando da mesma maneira que aqueles que vendem ações a descoberto (sem tê-las de fato).

O Estado de Nova York anunciou que vai começar a regulamentar parte do mercado de CDS. Segundo o governador de Nova York, David Paterson, os CDSs serão regulamentados da mesma forma que as apólices de seguros (que são reguladas pelos Estados americanos).

Cristopher Cox tem sido criticado por vários senadores pela falta de regulamentação da SEC .O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, John McCain, chegou a pedir a demissão de Cox na semana passada.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG