Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Sarkozy insiste em cúpula por uma nova ordem mundial ainda em 2008

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, voltou a defender nesta quinta-feira, em Bruxelas, a realização de uma cúpula internacional sobre a reforma do sistema financeiro mundial antes do fim do ano e antes da posse do sucessor do presidente americano, George W. Bush.

AFP |

"Se nós esperarmos pelo novo presidente, isso significa, no melhor dos casos, que vamos nos reunir na primavera (hemisfério norte). Eu digo a vocês que é muito tarde e isso não é aceitável", declarou o presidente em exercício da UE, durante a coletiva de imprensa de encerramento da cúpula européia.

"Seja porque as coisas estão piorando e, nesse caso, quem compreenderá que a gente espere? Seja porque as coisas vão bem e, nesse caso, eu desconfio dos que nos levaram a isso e que nos diziam imediatamente 'mas por que se preocupar, tudo vai melhorar, durmam tranqüilos'", acrescentou.

"Isso seria uma péssima idéia. Então, a Europa quer a cúpula antes do fim do ano. A Europa quer, a Europa pede e a Europa conseguirá", insistiu Sarkozy.

"A Europa lutará para que essa cúpula se traduza em decisões concretas, e não simplesmente em princípios", acrescentou o presidente francês, evocando, entre outros temas, os paraísos fiscais, a supervisão financeira, os fundos especulativos de risco ("hedge funds"), as agências de classificação, a remuneração dos operadores, ou as moedas.

Assim como a chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, o presidente francês também espera que seja abordada a questão do papel do Fundo Monetário Internacional (FMI).

"O FMI se desviou (de sua função) como uma instância de ajuda ao desenvolvimento, que 'classificava' um certo número de países com dificuldades e que dava seu aval, ou se recusava a conceder empréstimos", comentou, enquanto que "a ambição original no momento de Bretton Woods (era ser) uma instituição internacional de regulação".

"Desejo, vivamente, que reflitamos sobre o papel futuro do FMI", concluiu.

pa/tt/sd

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG