Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Sandero domina 207

Os hatches compactos deste comparativo têm em comum a ascendência francesa, mas suas propostas são bem distintas, apesar de atuarem no mesmo segmento. Sucessor do 206, o Peugeot 207 conta com apelo jovem, dirigibilidade aprimorada e tempero esportivo.

Agência Estado |

Apresentado no fim de junho, ele começa a ser vendido na sexta-feira, 1º de agosto.

Já o Sandero tem vocação familiar, interior espaçoso e bom porta-malas. Essas características foram decisivas para o Renault conquistar a vitória. Seu preço parte de R$ 35.990 na versão 1.6 8V Expression, ante R$ 39.920 do Peugeot 207 1.4 XR.

Esse último sai de fábrica mais equipado (traz ar-condicionado, direção hidráulica e conjunto elétrico, entre outros) e tem versão de duas portas, não disponível no rival. Mas o fato de o Sandero dar mais liberdade ao cliente para escolher os equipamentos que deseja também somou pontos.

De fábrica, há só direção hidráulica. Os itens a mais que são de série no rival estão à venda num pacote por R$ 4.200, tornando o Sandero R$ 900 mais caro que o 207. Mas o hatch feito no Paraná na mesma basea do Logan tem peças mais baratas.

Embora tenha cara e nome do modelo europeu, o 207 produzido no Rio de Janeiro é, na verdade, uma evolução do 206. São novos 250 componentes. E o que mudou fez bem ao carro.

A suspensão, independente nas quatro rodas, recebeu ajustes e está menos sensível - quase não transmite ao interior as irregularidades do piso. Ao mesmo tempo, manteve a firmeza necessária para encarar curvas, nas quais a carroceria inclina pouco. Nas frenagens, o carro transmite segurança. O Sandero também é bom nesse aspecto, mesmo com altura um pouco superior.

O comando do câmbio do 207 agora é por cabos, o que melhorou sensivelmente sua utilização. Os engates são macios e precisos, superiores aos do Renault.

Já na hora de acelerar, o Sandero mostra mais disposição por ter motor flexível de maior cilindrada, que entrega até 95 cavalos quando abastecido com álcool.

São 13 cv a mais que o gerado pelo 1.4 do Peugeot, de até 82 cv, que também dá conta do recado, mostrando boas respostas na cidade. Mas por causa da pior relação peso/potência (12,74 kg/cv, ante 11,1 kg/cv no Sandero), não consegue oferecer o mesmo fôlego do concorrente.

Na estrada, ambos os modelos mostram relações de marcha adequadas, inclusive no 207, que tem motor menor. Tanto no Peugeot quanto no Renault o conta-giros aponta 3.500 rpm a 120 km/h, em quinta marcha.

Nessa condição, o 207 leva vantagem por ter melhor isolamento acústico, algo que se sente falta no Renault. O problema do Peugeot é receber mal o motorista e oferecer espaço interno menor.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG