SÃO PAULO - Com o endividamento fortemente comprometido pelas perdas de R$ 2,55 bilhões com derivativos cambiais, a Sadia necessitaria hoje de algo entre R$ 2,1 bilhões e R$ 3,2 bilhões para colocar a casa em ordem. Esses seriam os montantes necessários para devolver a patamares considerados adequados a relação entre a dívida líquida e a geração de caixa operacional da companhia.

De acordo com o presidente da Sadia, Gilberto Tomazoni, a relação ideal para esse indicador é de 3 e 4 vezes, porém estava em 5,8 vezes ao final de 2008. Inflada pelas perdas com derivativos, a dívida líquida da companhia fechou o ano passado em R$ 6,733 bilhões, para um Ebitda (geração de caixa operacional) de R$ 1,164 bilhão. Para que ficasse no patamar considerado ideal, a dívida líquida teria que ser de R$ 2,1 bilhões a R$ 3,2 bilhões menor para o mesmo Ebitda. O executivo acredita que a volta à normalidade só deve ocorrer em 2010.

Para este ano, o desafio da empresa será conseguir dinheiro para tocar suas operações. Com cerca de R$ 900 milhões em caixa, a Sadia terá que carregar uma dívida pesada durante o ano, ao mesmo tempo em que pretende investir R$ 600 milhões na manutenção dos projetos em andamento e na melhoria das operações.

Entre as alternativas de capitalização, ganha cada vez mais força a venda de ativos. Além do banco e da corretora Concórdia, estão na prateleira terras reflorestadas, centros de distribuição, fábricas de ração, a operação de bovinos e até mesmo a fábrica da companhia na Rússia.

Ainda assim, a direção da companhia demonstrou certo otimismo com reação aos próximos meses. Segundo Tomazoni, a demanda do mercado externo já dá sinais de recuperação, enquanto que o mercado interno vem absorvendo parte do repasse referente à disparada ocorrida em 2008 nos preços das commodities alimentícias.

Com relação aos compromissos financeiros para o ano, Tomazoni informou que a dívida líquida de curto prazo está hoje em R$ 2,6 bilhões, dos quais R$ 1,4 bilhão, que venceriam no primeiro trimestre, já teriam sido "renovados". A próxima carga pesada virá no mês de setembro, quando mais R$ 2 bilhões terão que ser amortizados. Até lá, a Sadia já espera ter levantado um recurso significativo com a venda de ativos.

Outra alternativa para a capitalização da Sadia, já bastante discutida no mercado, é a associação com a Perdigão. Dessa vez, no entanto, Tomazoni preferiu não entrar no assunto, mas continua considerando a possibilidade da transação. "Não descartamos nada", completou o presidente da Sadia.

(Murillo Camarotto | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.