A Sadia teve um prejuízo financeiro de R$ 760 milhões ao liquidar antecipadamente, diversas operações no mercado de câmbio. As perdas são superiores ao lucro líquido obtido no ano passado - no valor de R$ 689 milhões - e devem levar o resultado de 2008 da companhia para o negativo.

Em fato relevante divulgado no final da tarde de ontem, a Sadia afirma que decidiu liquidar "antecipadamente" as operações cambiais por que elas ocorreram "em valores superiores à finalidade de proteção das atividades da companhia expostas à variação cambial".

As operações cambiais expuseram ao risco o correspondente a um ano de receitas com exportação, algo da ordem de US$ 3 bilhões a US$ 3,5 bilhões. Pela política da empresa, o risco deve se limitar a seis meses de faturamento das exportações. "Somos uma empresa de alimentos. Não fazemos especulação financeira", declarou o presidente da Sadia, Gilberto Tomazoni. Ele explica que, assim que a companhia tomou conhecimento dos níveis de risco a que a estava exposta, foi determinada a liquidação imediata das operações. "Foi um arranhão, um problema financeiro importante, mas que está equacionado. Machucou, mas não quebramos a perna. Somos uma empresa de R$ 12 bilhões de faturamento." O prejuízo equivale a um mês de exportações da Sadia.

Com o episódio, foram demitidos o diretor de finanças, Adriano Ferreira, e o gerente de finanças, Álvaro Ballejo. Welson Teixeira, diretor de controladoria e de relações com investidores, agora vai acumular também a diretoria Financeira. Segundo a Sadia, a liquidação foi feita com caixa próprio. "A empresa já tomou linhas de crédito de modo a garantir a normalidade de suas operações", afirmou a companhia em comunicado.

Para o analista da Link Corretora, Rafael Cintra, a Sadia "passou do ponto". "Se tivesse ficado só no hedge para proteger as operações de exportação, não teria tido esse prejuízo", diz. "É um sinal muito ruim para o mercado, uma vez que a empresa perdeu dinheiro com uma coisa que não é a atividade dela."
Com a divulgação da notícia depois das 17 horas de ontem, a ação PN da Sadia caiu 2%. Foi a maior queda da Bovespa. O pregão terminou com as ações cotadas a R$ 9,30. Depois do fechamento do pregão, no chamado after market, os investidores seguiram vendendo as ações da empresa, que tiveram queda de 3,9%. As ações da Perdigão, em contrapartida, tiveram alta de 3,56% no after market. "Foi um grande estrago e, sem dúvida, amanhã (hoje) os papéis da empresa vão sofrer ainda mais", afirma Cintra.

Segundo o analista da Link, o primeiro semestre já não tinha sido muito bom para a Sadia por causa da alta do preço dos grãos. A empresa registrou lucro líquido de R$ 335 milhões no primeiro semestre. "A empresa ia ter margens melhores no segundo semestre devido justamente à queda do preço do grão", afirma Cintra. "Claro que o resultado financeiro não vai afetar o lucro operacional (Ebitda), mas no lucro líquido, a chance de vir prejuízo é muito grande."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.