Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Rússia promete ao Brasil rever cotas de carne

GENEBRA - A Rússia prometeu ao Brasil que vai reexaminar a resolução estabelecendo o sistema de cotas de importação de carnes, que reduziu o acesso das exportações brasileiras ao mercado russo e direcionou o volume para produtores dos EUA. Mas os russos pararam por aí. Não deram garantias de que vão atender à demanda brasileira de recuperar os volumes de exportação este ano.

Valor Online |

Alegam que precisarão levar em conta a crise financeira global, que desvalorizou o rublo em um terço e afeta importações.

Empresas brasileiras que participaram recentemente de uma feira de negócios em Moscou disseram a funcionários do governo brasileiro que está havendo forte contração nos contratos de importação russa. Normalmente, o importador paga 30% quando a mercadoria é embarcada e outros 70% na chegada. É quando tem que liquidar os contratos em rublo, agora fortemente desvalorizado.

Uma missão brasileira formada por representantes do Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento e o Itamaraty esteve esta semana em Moscou para manifestar formalmente o " inconformismo " do país com a mudança no sistemas de cotas e a elevação de tarifas extra-cotas, especialmente para carnes de frango e suína.

Para o Brasil, a Rússia mudou as regras do jogo. A cota destinada a outros paises, na qual o Brasil está incluído, foi reduzida de 197 mil toneladas para 177 mil toneladas no caso da carne suína. Os russos acabaram também com a cota destinada a retalhos de carne suína, que era de 32 mil toneladas. Essa redução no acesso brasileiro serviu para aumentar a cota dos EUA. No caso do frango, os brasileiros também saíram perdendo bastante.

Paralelamente, o representante do Itamaraty, Carlos Consandey, se reuniu com o principal negociador russo para a adesão do país na Organização Mundial do Comércio (OMC), Maxim Medvedkov. E avisou que a discriminação contra a carne brasileira " cria repercussão " no apoio de Brasília à entrada russa na entidade. O Itamaraty não chegou a ameaçar com retirada do apoio a Moscou, mas insistiu que o país " não está nada contente " com a medida que afetou as suas exportações. A Rússia, portanto, não pode contar com apoio irrestrito.

O resultado foi a fixação de nova reunião em abril, quando o secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Ivan Ramalho, volta a Moscou. Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Pedro de Camargo Neto, os negociadores têm que se concentrar num objetivo: " O Brasil deve insistir em obter melhor cota este ano, porque os EUA insistiram e levaram 50 mil que foram retiradas do Brasil " .

" Deixamos claro ao lado russo que esperamos que reveja ainda este ano o sistema de cotas para permitir melhor acesso dos exportadores brasileiros " , disse o embaixador brasileiro em Moscou, Carlos Antonio da Rocha Paranhos.

Além disso, o Brasil avisou que, como grande exportador, deseja ser consultado sobre o regime de importação de carnes que vai vigorar a partir de 2010. O Brasil prefere que não haja cotas - somente tarifas. Mas, se cota houver, que seja na base da " nação mais favorecida " , de forma que os mais competitivos tenham melhores condições.

(Assis Moreira | Valor Econômico)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG