Tamanho do texto

SÃO PAULO - A incorporadora Rossi Residencial encerrou o segundo trimestre do ano com ganho líquido de R$ 50,8 milhões, crescimento de 45% sobre os R$ 35 milhões obtidos em igual período do ano passado.

Foram realizados 18 lançamentos no trimestre, com Valor Geral de Vendas (VGV) total de R$ 1,085 bilhão, alta de 120% no comparativo anual, sendo que a parte Rossi respondeu por R$ 776 milhões, avanço de 93% sobre o segundo trimestre. O preço médio por metro quadrado caiu de R$ 3.178 no segundo trimestre do ano passado, para R$ 2.700 em igual período deste ano.

A receita líquida registrou crescimento de 65% no comparativo anual, somando R$ 291 milhões. A margem líquida da companhia recuou de 19,9%, para 17,4%, reflexo dos maiores gastos comerciais.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 47 milhões, crescimento anual de 27%. Mas a margem Ebitda caiu em 4,8 pontos percentuais para 16%.

O custo dos imóveis e serviços vendidos apresentou um aumento de 59,5%, passando de R$ 110,1 milhões no segundo trimestre de 2007 para R$ 175,6 milhões no segundo trimestre de 2008. As despesas administrativas subiram em 65,6%, para R$ 26,7 milhões, mas se ficaram estáveis em comparação com a receita líquida, cerca de 9%. Já as despesas comerciais aumentaram 188%, passando para R$ 49,1 milhões.

Destaque para o crescimento de 99,7% das receitas financeiras, que somaram R$ 15,1 milhões. Segundo a companhia, esse aumento deve-se, principalmente, as variações monetárias sobre o saldo a receber de clientes.

O banco de terrenos cresceu 23% no comparativo anual, com VGV potencial de R$ 16,3 bilhões, com a parte Rossi respondendo por R$ 11,8 bilhões.

(Valor Online)