Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Rossi e Even anunciam aumento de capital

Duas das empresas do setor imobiliário que vêm sendo mais castigadas na Bolsa de Valores, a Rossi Residencial e a Even, anunciaram ontem um aumento de capital, por meio de emissão privada de ações - restrita aos acionistas das empresas -, de R$ 150 milhões cada uma. Em fato relevante, a Rossi informou que os acionistas controladores já manifestaram a intenção de exercer seu direito de preferência, ficando com a totalidade das ações emitidas, de modo a garantir a subscrição de 100% do aumento de capital.

Agência Estado |

Ainda segundo o fato relevante, "os recursos provenientes do aumento de capital serão utilizados no fortalecimento da estrutura de capital da companhia, visando suportar seus projetos de expansão".

Já no caso da Even, os acionistas do bloco de controle cederam parte de seus direitos de preferência na subscrição das ações para três grupos de investidores. De acordo com a ata da assembléia de acionistas, esses investidores, juntamente com o acionista Genoa Fundo de Investimentos em participações, se comprometeram a subscrever até a totalidade das ações a serem emitidas.

O aumento de capital se justifica pelo momento atual das empresas. A crise financeira internacional se reflete diretamente sobre a construção civil, setor bastante sensível ao crédito. De acordo com um levantamento feito na semana passada pela consultoria Economática, das 21 construtoras e incorporadoras que abriram capital na Bovespa entre 2006 e 2007 - quando conseguiram levantar nada menos que R$ 16, 2 bilhões -, nada menos que oito estavam na lista das 30 maiores quedas da bolsa paulista.

Sem crédito, as empresas têm buscado alternativas para se capitalizar e tocar as obras. A Inpar, por exemplo, conseguiu levantar R$ 400 milhões com a venda de ativos e criação de associações de capital em projetos específicos, e revisou a previsão de lançamentos para este ano de R$ 2,5 bilhões para R$ 1,65 bilhão. A própria Even já havia reduzido seus lançamentos de R$ 2,2 bilhões para R$ 1,8 bilhão. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG