Tamanho do texto

Menos de um mês depois da restrição de caminhões no centro expandido entrar em vigor, a Prefeitura de São Paulo dá início, hoje, a mais uma tentativa para resolver os problemas de congestionamento na cidade. E os grandes veículos são novamente o alvo.

A partir de agora, o caminhões terão de respeitar um sistema de rodízio, no mesmo formato do que existe há mais de uma década para os automóveis. A Secretaria Municipal de Transportes estima que, assim, 25 mil caminhões deixarão de circular nas Marginais nos horários de pico.

O rodízio controlará o fluxo de caminhões nas vias que contornam o centro expandido de São Paulo, incluindo as Marginais do Tietê e do Pinheiros e a Avenida dos Bandeirantes (ver o mapa ao lado). Ficam, assim, proibidos de circular em determinados horários em um dia na semana, de acordo com a placa.

Os caminhões com finais de placa 1 e 2 não podem percorrer a área determinada na segunda-feira; os de final 3 e 4, na terça; 5 e 6, na quarta; 7 e 8 na quinta; e 9 e 0 na sexta. O horário de restrição na parte da manhã é das 7 horas às 10 horas e, à tarde, das 17 horas às 20 horas. Nos fins de semana, a circulação fica liberada.

Com se trata de uma medida emergencial, segundo especialistas o rodízio será bem-sucedido no início, mas será necessária uma reforma estrutural mais completa no futuro. "Quando teve início o rodízio de carros, o espaço conquistado nas vias foi sendo perdido ao longo do tempo. Hoje, o trânsito está como era antes. Com os caminhões vai acontecer a mesma coisa, caso nada mais seja feito", diz o consultor de trânsito Luiz Célio Bottura.

O presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras de Carga de São Paulo (Setcesp), Francisco Pelucio, disse que a restrição provocará prejuízos para a fluidez nas estradas. Isso porque os caminhões devem parar nos acostamentos para esperar o horário de circulação permitida. "Depois, será um desfile de caminhões pelas Marginais. Os congestionamentos serão imensos, fora do horário de rodízio."

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) promete rigor na fiscalização. Para isso, aumentará em 33% o número de marronzinhos nas vias restritas pelo rodízio. Serão também instalados mais 15 pontos de fiscalização, totalizando 45 locais onde os agentes registrarão irregularidades. O motorista que infringir as regras será multado em R$ 85,13 e perderá quatro pontos na carteira de habilitação.

Sinalização

A CET colocou 70 faixas nas entradas da cidade para informar os caminhoneiros sobre o rodízio. Painéis de Mensagens Variáveis também transmitirão informes sobre a nova regra ao longo dia. A Ecovias, concessionária que administra as rodovias Anchieta e Imigrantes, também usará seus painéis eletrônicos para orientar os motoristas.

O rodízio é a mais recente medida do pacote da Prefeitura, que pretende aumentar a fluidez no trânsito da capital. Em 30 de junho, a área de restrição de caminhões no centro expandido da cidade aumentou de 25 para 100 quilômetros quadrados. Caminhões de grande porte só podem circular nessas regiões entre 21 horas e 5 horas. Os Veículos Urbanos de Carga (VUCs) estão sujeitos ao rodízio de placas pares e ímpares para circular nesses locais.