A crise financeira global obrigará a Rio Tinto a adiar os planos para se desfazer de US$ 10 bilhões em ativos neste ano, além de rever os investimentos e reduzir a produção de alumínio. Mas a mineradora australiana disse que sua perspectiva continua favorável, apesar da turbulência do mercado.

A companhia disse ainda que a China não está imune à crise e que, por isso, a demanda por commodities não deve se recuperar pelo menos antes do próximo ano, embora no longo prazo os chineses continuem a puxar o consumo. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.