Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Richardson admira etanol brasileiro

A escolha de Bill Richardson para chefiar o Departamento de Comércio dos EUA é uma boa notícia para o Brasil. O novo secretário, que tem como uma de suas principais funções promover os negócios americanos em outros países, é um grande admirador do programa energético brasileiro.

Agência Estado |

Além disso, ele prega uma nova aliança dos EUA com Brasil e México. "As relações-chave (no hemisfério) são Brasil e México", disse Richardson em junho, em depoimento ao Conselho de Relações Exteriores do Congresso.

Richardson propõe uma nova versão da Aliança para o Progresso, programa de integração das Américas lançado por John F. Kennedy, em 1961. "Seria um programa com foco em nutrição, microcrédito e tecnologia de energia renovável - não tem nada a ver com os velhos programas de ajuda."

O novo secretário pretende expandir as alianças com a América Latina aumentando a "colaboração em energia renovável e tecnologia". "O que o Brasil fez com o etanol é o futuro da região. O país é auto-suficiente em energia", disse Richardson em outra entrevista, no início do ano.

Ele também elogia o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Ficamos surpresos com governos como o de Cristina Kirchner, na Argentina, de Lula, no Brasil, e de Michele Bachelet, no Chile", afirmou. "Devemos abraçar esses governos, ter uma nova relação com esses países. Afinal, eles são chamados de emergentes por algum motivo."

Richardson define-se como um democrata favorável ao livre comércio. "Sou uma espécie em extinção no partido", afirmou. Como a maioria de seus partidários, porém, ele defende a inclusão de cláusulas trabalhistas e ambientais em tratados de comércio, assim como um maior enfoque no desenvolvimento humano.

Como ex-embaixador na ONU, ele prefere dar destaque à capacidade da rodada multilateral de comércio de atingir objetivos mais ambiciosos do que os acordos bilaterais. O simples fato de Richardson ser de origem hispânica deve aumentar a atenção dos EUA para a região - embora no caso do atual secretário de Comércio, Carlos Gutiérrez, também hispânico, isso não ter feito diferença.

Em relação à América Latina, Richardson defende uma reforma da política de imigração e o fim do embargo a Cuba. "Precisamos de uma reforma abrangente da política de imigração, e isso não se restringe ao México, mas vale também para países da América Central. Depois, temos de mudar a política de Cuba, pois o embargo não faz o menor sentido, apenas fortaleceu o governo castrista."

Richardson já esteve com Hugo Chávez na Venezuela e deu a ele uma luva de beisebol. "Eu era secretário de Energia e comecei a reunião falando em espanhol. Chávez gosta de achar que é um arremessador, então levei para ele uma luva de beisebol. É preciso fazer uma conexão pessoal com esses caras", disse.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG