Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Richard Branson quer investir em etanol no Brasil

São Paulo - O bilionário inglês Richard Branson, controlador do grupo Virgin - que, entre outros negócios, tem uma companhia aérea e uma gravadora -, enviou dois de seus homens de confiança ao Brasil nesta semana para analisar de perto o mercado de etanol. Na agenda do belga Dimitri Pauwels e do americano Brett Lund, há uma lista secreta de usineiros com quem pretendem negociar uma parceria, que pode ser fechada nos próximos meses.

Agência Estado |

Branson é um dos principais sócios da Gevo, empresa de biotecnologia criada há quatro anos nos Estados Unidos e que desenvolveu uma tecnologia de produção de isobutanol, também chamado de etanol de segunda geração. Em vez de usar enzimas para catalisar o processo, ela produz o combustível com microorganismos geneticamente modificados. Segundo Lund, o isobutanol é tão eficiente quanto à gasolina, mais fácil de ser distribuído, pois não se mistura à água, não exige mudanças no motor do carro e ainda pode gerar outros subprodutos para a indústria química, como plásticos, polímeros, biodiesel e combustível para aviação.

"A Gevo não quer comprar usinas no Brasil porque o País já tem excelentes operadores. Nessa parceria, seremos os provedores de tecnologia e os brasileiros, os provedores de açúcar e de produção", explica Pauwels, consultor do grupo Virgin para a América Latina. "A Gevo é uma empresa pequena e tem de começar por algum lugar. E o Brasil é a melhor opção. Está aberto para investimentos estrangeiros e parcerias e é líder em açúcar, tanto no consumo quanto na produção. É muito mais fácil começar por aqui."

Os executivos querem convencer os usineiros que o etanol de segunda geração pode aumentar a margem de lucro das empresas. Como são mais eficientes - pelo menos em escala experimental -, vão valer mais que o bom e velho álcool. Um dos parceiros mais óbvios da Gevo no País é a Brenco, novo grupo sucroalcooleiro de brasileiros e estrangeiros que vai produzir etanol em larga escala. Um dos seus principais investidores é o indiano Vinod Khosla, fundador da Sun Microsystems e da própria Gevo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG