Tamanho do texto

Cinquenta executivos de alto nível da área de Tecnologia da Informação de alguns gigantes corporativos americanos e europeus, como Johnson & Johnson, Citi, Dell, Procter & Gamble, HSBC e Nissan-Renault, entre outros, estarão no Brasil entre os dias 8 e 10 de junho para participar do Brasscom Global IT Forum, organizado pela Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), em parceria com a consultoria americana Gartner Group. O objetivo é vender aos estrangeiros a capacitação do Brasil como um provedor relevante de software e serviços de TI, num mercado que deve movimentar globalmente US$ 101 bilhões este ano.

Cinquenta executivos de alto nível da área de Tecnologia da Informação de alguns gigantes corporativos americanos e europeus, como Johnson & Johnson, Citi, Dell, Procter & Gamble, HSBC e Nissan-Renault, entre outros, estarão no Brasil entre os dias 8 e 10 de junho para participar do Brasscom Global IT Forum, organizado pela Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), em parceria com a consultoria americana Gartner Group. O objetivo é vender aos estrangeiros a capacitação do Brasil como um provedor relevante de software e serviços de TI, num mercado que deve movimentar globalmente US$ 101 bilhões este ano. Fazem parte, ainda, da programação do Forum, que será desdobrado em eventos em São Paulo e no Rio de Janeiro, visitas a grandes usuários brasileiros de TI, como Bradesco, Itaú Unibanco e Petrobrás. O evento faz parte, também, da estratégia brasileira para fazer com que, até 2011, as exportações das empresas brasileiras de Tecnologia da Informação alcancem um volume de US$ 5 bilhões de dólares por ano, definida com o governo federal. Para facilitar essa tarefa, o governo reduziu em 50% a contribuição para o INSS na folha de pagamento das exportadoras de serviços de TI. "Com o incentivo, saímos praticamente do zero no início da década para os US$ 3,5 bilhões que deverão ser exportados este ano", diz Antonio Rego Gil, presidente da Brasscom. <i>As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.</i>
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.