SÃO PAULO - O setor de concessão de rodovias ganhará novo representante na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). A Ecorodovias, concessionária que opera o sistema Anchieta-Imigrantes, realiza uma oferta primária e secundária de ações que pode ultrapassar os R$ 2 bilhões.

As pessoas físicas foram convidadas a participar e a intenção de investimento deve ser comunicada às corretoras consorciadas entre hoje e a próxima segunda-feira, dia 29 de março. O valor mínimo de investimento é de R$ 3 mil.

O cronograma estimado também sugere que o preço por papel será fixado no dia 30 de março e que os papéis vão ser negociados no dia 1º de abril no Novo Mercado da Bovespa, sob o código ECOR3. A venda dos ativos é coordenada pelo GTB Pactual, Itaú BBA, Credit Suisse, Morgan Stanley e Goldman Sachs.

A iniciativa da empresa de ir a mercado bem como o valor estimado da operação foram antecipados pelo jornal Valor em reportagem do dia 21 de janeiro.

De acordo com a republicação do Aviso ao Mercado divulgada hoje, serão distribuídas inicialmente 125,22 milhões de ações ordinárias, sendo 92 milhões de novas ações e 33,22 milhões de papéis dos acionistas vendedores, no caso, a CR Almeida e Primav.

Utilizando o teto da faixa estimada de preço que vai de R$ 9,0 a R$ 12,00 por papel, a distribuição movimentará R$ 1,5 bilhão. No entanto, considerando o exercício dos lotes suplementar e adicional, o montante chega a R$ 2,02 bilhões.

Pela minuta do prospecto preliminar, a companhia vai a mercado em busca de recursos para financiar suas atividades, que envolvem concessões de rodovias, portos, terminais logísticos e a aquisição de empresas que atuem nestes setores.

A CR Almeida Engenharia e Construções é o controlador indireto da companhia. Por meio da Primav Construções, a CR Almeida responde por 65% das ações ordinárias.

O restante do capital é da italiana Impregilo International Infrastructures, com 35% das ações ON. O controle da holding é da Impreglio SpA que detém participações em concessões de rodovias, aeroportos, aquedutos e produção de energia renovável.

Na descrição de seus negócios, a empresa explica que suas operações estão organizadas em sistemas logísticos, que incluem dois terminais logísticos e cinco concessões rodoviárias, que cobrem mais de 1.450 km.

Além da concessão das rodovias, o que a empresa chama de Sistema Logístico Anchieta-Imigrantes também inclui os dois terminais Ecopátio Cubatão e Ecopátio Imigrantes. A companhia também é responsável pelo corredor Ayrton Senna-Carvalho Pinto, pelo Polo Rodoviário de Pelotas (RS) e pela estrada que liga o Porto de Paranaguá (PR) à capital Curitiba.

Conforme o prospecto, a Ecorodovias tem planos de expansão para cada um desses sistemas logísticos, envolvendo a criação ou participação de novos terminais logísticos e portuários.

Os balanços da Ecorodovias mostram crescimento de receita, geração de caixa e lucro nos últimos três anos. Em 2009, a receita líquida passou de R$ 1 bilhão, contra R$ 831 milhões de 2008 e R$ 643 milhões em 2007. Já a geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes da participação de minoritários, do imposto de renda, da contribuição social, do resultado financeiro líquido, da depreciação e da amortização) somou R$ 690 milhões, alta de 23% sobre 2008 e avanço de 57% sobre 2007.

O lucro líquido de 2009 ficou em R$ 192 milhões, contra R$ 129 milhões no ano anterior e R$ 160 milhões em 2007. A margem líquida, que foi de 24,8% em 2007, caiu para 15,6% em 2009 e avançou a 19,2% no ano passado.

(Eduardo Campos | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.