Os norte-americanos gastaram mais que o esperado em janeiro, mas o crescimento da renda foi fraco. Os gastos subiram 0,5% em relação a dezembro, enquanto a renda pessoal cresceu 0,1%, segundo informou nesta segunda-feira o Departamento de Comércio dos Estados Unidos.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561397564&_c_=MiGComponente_C

Economistas esperavam aumento de 0,4% tanto na renda quanto nos gastos em janeiro. A renda cresceu pelo sexto mês seguido e os gastos aumentaram pelo quarto mês consecutivo. A taxa de poupança em janeiro caiu para 3,3%, em comparação aos 4,2% de dezembro. Esta é a menor taxa desde os 2,9% registrados em outubro de 2008.

Os dados de dezembro também foram revisados. A renda pessoal e os gastos pessoais naquele mês subiram 0,3%. Originalmente, o Departamento de Comércio havia informado altas de 0,4% e 0,2%, respectivamente.

A leitura melhor que o esperado para os gastos em janeiro aliviou parte da apreensão gerada pelo relatório publicado na sexta-feira, que mostrou que o governo dos EUA reduziu sua estimativa para os gastos com consumo no quarto trimestre do ano passado de aumento de 2,0% para alta de 1,7%. Os gastos com consumo representam 70% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Gastos com consumo

O índice de preços para gastos com consumo pessoal (PCE) subiu 0,2% em janeiro nos Estados Unidos, na comparação com dezembro, enquanto o núcleo do indicador, que exclui os preços dos setores de alimentos e energia, ficou estável. O resultado ficou dentro do esperado pelos economistas.

O índice PCE avançou 2,1% em janeiro, em relação ao mesmo mês do ano passado, enquanto o núcleo do indicador, que é observado pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), subiu 1,4% em relação a janeiro do ano passado. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre: EUA

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.