BUENOS AIRES, 8 de novembro (Reuters) - A Renault convocou férias coletivas de 11 dias a mil funcionários argentinos como consequência de uma queda nas exportações, em decorrência da crise econômica global, informou a imprensa local neste sábado. O ministro do Trabalho informou que os funcionários da unidade da empresa em Santa Isabel, província de Córdoba, serão dispensados por diferentes períodos durante os meses de novembro e dezembro, por um total de 11 dias, segundo o jornal La Nación.

"A demissão tem que ser a última solução", disse o ministro do Trabalho, Carlos Tomada.

A imprensa local estimou em 1,4 mil o número total de funcionários da Renault na Argentina, unidade que exporta grande parte de sua produção.

"As vendas ao Brasil e ao México, nossos principais mercados, reduziram-se totalmente e para nós a exportação significa 27 por cento das vendas", disse uma fonte da Renault ao jornal Clarín.

Muitos temem que a crise internacional atinja a indústria automobilística local, um dos motores da forte recuperação econômica do país a partir de 2002, quando a economia começou a crescer a taxas superiores a 8 por cento ao ano.

Outras automotivas que também exportam uma parte relevante de sua produção anunciaram recentemente férias coletivas. O governo luta para evitar uma onda de demissões em um país onde um terço da população vive na pobreza.

(Reportagem de Nicolás Misculin)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.