Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Remessas de lucros puxam alta de 0,76% no dólar, que fecha R$ 1,574

SÃO PAULO - Na contramão das bolsas e do cenário externo positivo, a moeda norte-americana teve um pregão de forte alta ante o real nesta terça-feira. A valorização de 0,76%, que levou o dólar comercial para R$ 1,572 na compra e R$ 1,574 na venda, foi a maior observada desde 10 de junho.

Valor Online |

Na roda de pronto da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BMF) a moeda apresentou valorização de 0,84%, para R$ 1,5755. O volume financeiro somou US$ 338,75 milhões, 36% menor que o observado na segunda-feira.

Segundo o analista de câmbio da Liquidez Corretora, Mário Paiva, a compra de dólares hoje foi pontual e ocorreu por conta de remessas de lucros para o exterior, operação que fica atrativa tendo em vista o baixo nível de taxa dos últimos dias.

Ainda de acordo com o analista, a acentuada venda de ativos de primeira linha na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), leia-se Petrobras e Vale do Rio Doce, também denota esse movimento de levantar caixa no Brasil e mandar o dinheiro para fora. No caso da venda de ações, o investidor conta com outra opção: se reposicionar em taxa de juros.

Segundo Paiva, o mercado de câmbio estava sobrevendido depois do encerramento do mês de julho, com a formação da Ptax (média ponderada da cotação apurada pelo Banco Central e utilizada para a liquidação dos contratos futuros na BM & F) e a operação de compra da IronX (empresa cindida da MMX) pela Anglo American, que colocou cerca de US$ 5 bilhões dentro do país, pressionando a taxa para o patamar de R$ 1,55.

Tinha muita posição vendida. É natural que a taxa suba um pouco, podendo chegar até a R$ 1,60, afirma o analista.

No entanto, Paiva acredita que tal valorização tem caráter pontual. Passado esse ajuste, o dólar deve voltar a perder valor.

Tal expectativa é apoiada na já elevada e crescente taxa de juros brasileira, que oferece excelente oportunidade de arbitragem. Além disso, a oferta de dólares em âmbito global continua muito elevada.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG